Novamente, o que está acontecendo neste país é uma balbúrdia, causada pela esquerda e açodada pelos corruptos de plantão, que querem, usando a pandemia do coronavírus como palanque, estancar os avanços do Governo e procurar uma razão qualquer para derrubar o atual Presidente da República.

Nesse sentido, como já escrevi em artigos anteriores, especialmente a esquerda não hesita em lançar mão da manipulação criminosa da informação, buscando, por todos os meios, causar desconforto, inconformidade, pânico e revolta na população, e atinge, especialmente, aqueles que não têm raciocínio crítico suficiente para analisar as narrativas mentirosas, falaciosas e caluniosas, das quais essa esquerda nefasta abusa.

Por conta disso, e diante da veiculação de ofensas e acusações perniciosas que foram lançadas por pessoas públicas de destaque, bem como pela extrema-imprensa, que não querem ver o novo Brasil que surgiu das últimas eleições avançar, eu e meu amigo Clynson Oliveira escrevemos este artigo, a duas mãos, e duas mãos destras. A partir daqui, passo a usar a 1ª pessoa do plural, portanto.

A era que estamos vivendo carrega em si uma carga de responsabilidade para cada um dos brasileiros. É necessário tomar decisões, no sentido de agir e colaborar com o próximo para que a verdade prevaleça sobre a desinformação.

Podemos apresentar 3 tipos de manipulação da informação:

  1. A Misinformation é causada por erros culposos, negligência ou imperícia com o tratamento da informação, não intencionais, por conta de imagens mal capturadas com interpretações dúbias, datas, traduções ou estatísticas equivocadas ou erros de interpretação de ironias, como sendo informação crível.
  2. A Malinformação é a publicação dolosa, deliberada e ofensiva de informações privadas pessoais ou institucionais que podem ou não ser de interesse público, tais como pornografia ou mazelas da vida pessoal, bem como uma mudança deliberada de contexto, data ou tempo diferente do original.
  3. A Desinformação, por sua vez, é a “Fake News” do tipo “raiz”. É a fabricação dolosa, mal intencionada e deliberada de manipulação audiovisual com a intenção de compor ou criar um ambiente propício ao crescimento de “teorias da conspiração”, pânico, terror, conflitos e boatos generalizados.

A defesa principal contra estes 3 tipos de informação manipulada é uma filtragem, checagem e avaliação de tudo aquilo que lemos. Durante o processo de identificação de “fake news” relacionadas à ocultação de informação sobre eventos com objetos voadores não identificados, Wood criou um protocolo simples de checagem da veracidade dos fatos. Abaixo segue uma adaptação para essa avaliação no século XXI.

O leitor deve submeter o conteúdo da mensagem que supostamente é uma “fake news”, malinformação ou desinformação, uma das perguntas da tabela abaixo, sendo que as respostas devem ser sim ou não.

A tabela foi extraída e adapatada da obra “Psychological Warfare & The Majestic Documents”, de R.S. Wood (2007).

Para cada sim anote o número 1 e para cada não anote 0. Ao final some o resultado, se for igual ou superior a 7, há grande probabilidade dessa informação ou mensagem poder ser classificada como informação manipulada, de acordo com a seguinte tabela:

  • 7 respostas “sim”: 54% de probabilidade da mensagem ser uma desinformação, ou seja, há uma razoável indicação de que é;
  • 8 respostas “sim”: 61% de probabilidade da mensagem ser desinformação;
  • 9 respostas “sim”: 70% de probabilidade da mensagem ser desinformação, muito alta;
  • 10 respostas “sim”: 77% de probabilidade, é mais que provável que seja desinformação;
  • 11 respostas “sim”: 85% de probabilidade. A partir deste percentual, pode-se afirmar que se trata de desinformação;
  • 12 respostas “sim”: 92% de probabilidade. Trata-se de desinformação;
  • 13 respostas “sim”: 100%. Definitivamente, é desinformação e não tem conversa.

Pois bem.

Tendo em vista essas perguntas, causou-nos espanto os últimos pronunciamentos de várias pessoas, como Janaína Paschoal, a quem tributávamos respeito, e que pareceu conclamar as Forças Armadas à uma rebelião.

Mas, com mais espanto ainda, vimos a seguinte postagem de Fernando Haddad no Twitter, ofendendo o Presidente da República de forma subliminar.

De cara, chamou-nos a atenção que se tratava de algo inusitado, não tanto pelo conteúdo da mensagem, mas pela quantidade de curtidas. Imediatamente, pareceu-nos algo “fora da curva”.

Pois bem. Vamos analisar a mensagem pelas 13 perguntas que colocamos acima, resumidamente.

  1. O alvo da mensagem é uma pessoa pública? SIM.
  2. A fonte já postou outras boatos e ofensas em relação ao alvo? SIM.
  3. O alvo tem reações previsíveis? SIM.
  4. O objetivo da mensagem é facilmente identificável? SIM (meramente, ofensa).
  5. Há possibilidade do alvo perder credibilidade pela divulgação da mensagem? SIM.
  6. Há evidências de que a mensagem foi preparada para prejudicar o alvo? SIM.
  7. Há características na mensagem que possam identificar um possível autor oculto, diferente do ostensivo? SIM.
  8. Outros analistas em desinformação concordam com sua avaliação sobre a mensagem? SIM.
  9. A pessoa pública é frequentemente alvo de fofocas? SIM.
  10. A fonte da mensagem é não identificada? NÃO.
  11. Os dados da mensagem são incompletos? SIM (Ofensas sempre são incompletas, porque são meia-informação, são parciais). No caso, não se menciona o Presidente, mas sabe-se que a mensagem é dirigida a ele.
  12. O público para o qual a mensagem é dirigida acredita na fonte? SIM.
  13. Há indícios que a mensagem tenha como objetivo que um público diferente do alvo principal realize ações específicas? SIM.

O resultado é 12 respostas SIM, ou seja, há 92% de probabilidade de ser desinformação, e É!

Mas nossa análise não para aí. Chamou-nos muito a atenção que o número de curtidas do post tenha sido altíssimo, muito mais alto que o costumeiro no perfil do emissor. Então, fomos analisar, e chegamos à seguinte tabela-resumo:

Verificamos que Haddad postou 23 vezes em janeiro de 2.020, depois subiu as postagens para 50, em fevereiro, e até o dia 23 de março, havia postado 39 vezes. Curioso é que, a partir de certo ponto, suas postagens dispararam em número de curtidas.

As médias de curtidas (“likes”) que Haddad teve foram 3.400/post em janeiro de 2.020, depois subiram para 4.700 em fevereiro e mais ainda em março, quando mais que dobraram em relação a janeiro. Esse dado, por si só, é estranho.

Adotamos uma margem de erro (desvio padrão) de 100% para considerar como anômalos os totais de curtidas que ultrapassassem o dobro da média (mediana) mensal. Daí encontramos 1 anomalia em janeiro, 12 em fevereiro e 16 em março (até o dia 26), conforme tabela seguinte:

Vejam que em algumas datas, o desvio em relação à média chega a 1.000% ou mais, ou seja, mais de 10 vezes a quantidade mediana de curtidas que o emissor costuma receber. Ora, fosse um post genial, com uma ideia estupenda, talvez isso pudesse se justificar, e com muitíssima boa vontade. Mas não é o caso. Em relação ao post apontado acima, sobre “vírus e verme”, o desvio chega quase a 5.000% (!!), ou seja, 51 vezes a mediana de curtidas! Tão estupendo desempenho somente pode ser explicado através de impulsionamento de conteúdo!

Veja, ainda, que esse desempenho impulsionado e muito acima da mediana tem ocorrido desde o dia 25 de fevereiro, mas ficou mais intenso e repetido a partir de 18 de março, dia em que Haddad retuitou o post da Embaixada Chinesa que ofendeu Eduardo Bolsonaro.

À revista Vida Destra, isso não havia passado desapercebido, tanto que houve um excelente artigo, escrito por Ricardo Peake Braga (https://vidadestra.org/o-virus-e-a-guerra-comercial-a-china-quer-o-brasil/), em que o autor manifestou estranheza com o tom agressivo da resposta, incomum no meio diplomático, chegando à óbvia conclusão que a China estava se doendo (muito) pela aproximação diplomática entre Brasil e EUA.

Esse post do embaixador chinês se assemelha muito e tem a construção típica de mensagens BTB (uma mensagem subscrita dentro de outra mensagem, como uma carta ou um livro, que só pode ser decodificada por quem tem a chave – tipo primeira letra da primeira linha, terceira letra da segunda linha, décima quarta letra da terceira linha, como muitos já devem ter visto em filmes de espiões). A linguagem, o português desse post está muito correto – flexões de verbos, ironias e ataques velados, até estranho para um estrangeiro. Essas mensagens ocorrem para desencadear ações pré-planejadas, nas quais os atores sabem exatamente o que fazer. Depois do post da Embaixada Chinesa, duas coisas chamam a atenção: dispararam as curtidas nos posts de Haddad, bem como houve as cartas de Lula e dos Governadores do Nordeste para a China pedindo socorro!

O que nos leva a perguntar: Há algum entendimento dos partidos políticos e dos políticos de esquerda para que a China intervenha no Brasil, de alguma forma? Pois parece que sim, já que estão pedindo desculpas e socorro ao país estrangeiro!

Diga-se ainda que aliar-se a países estrangeiros, ou manter entendimento com estes, para abalar a estabilidade política do Brasil é CRIME LESA-PÁTRIA, conforme a Lei 7.170/83, que está demorando demais para ser invocada, em face desses Governadores e da figura perniciosa que mencionamos.

Mas não somente isso. Houve mais eventos que nos chamaram a atenção.

“Ataques cibernéticos” são feitos em rede, podendo se valer tanto de robôs (programas, mesmo, artificiais) como de pessoas contratadas ou combinadas para esse fim, que nas redes chamamos de MAVs (Militância em Ambientes Virtuais – vejam que essa sigla foi criada no 4º Congresso do PT, em 2011!). Cada desses perfis, “fakes”, combinados ou contratados, está instalado em uma comunidade específica. Eles normalmente buscam ser os primeiros a comentar para permanecer mais tempo. Os ataques, normalmente, são feitos em série para que os primeiros 5 comentários sigam a orientação positiva, ou negativa, do autor do ataque. É uma estratégia premeditada, em que o espalhamento da desinformação se dá incitando as pessoas (público real) a continuar e render o ataque.
Mas o primeiros comentários são sempre robôs ou pessoas combinadas para começar a histeria. As desinformações veiculadas nesses ataques são sempre ESTAPAFÚRDIAS, e causam revolta no povo real que ALIMENTA a narrativa, e aí tanto faz se a favor ou contra, porque tanto esquerda quanto direita replicam as mensagens. Contudo, a finalidade vai além da mensagem, é dar a impressão de que essas pessoas que emitiram as mensagens são relevantes – mas na verdade, NÃO SÃO!

Para combater esses MAVs, a única solução que o Twitter disponibiliza é o bloqueio. É o que aconselhamos aos perfis de direita, que bloqueiem esses perfis MAVs no atacado. Geralmente, têm 0, 1, 10 ou 20 seguidores, mas podem chegar a ter 1.000 ou mais. A característica que os identifica, contudo, é a extrema agressividade e a ausência de argumentos sólidos. São bastante ofensivos.

Isso se pode ver do perfil de Haddad, no dia 23 de março: há a postagem que recebeu 384 mil curtidas, ao lado de outra, que teve 350! Ora, fica claríssimo para qualquer observador que uma postagem foi impulsionada, e a outra não. Demonstra mais: sem impulsionamento, Haddad teria 350 curtidas por post. Essa é a real relevância dele.

Outro detalhe que nos chamou a atenção: a partir da morte do primeiro infectado por COVID-19 no Brasil, iniciou-se uma verdadeira ofensiva de robôs ou de pessoas combinadas/contratadas, inflando os números dos comentários de certas autoridades, bem como maximizando o clima de terror e desconfiança quanto à ação e seriedade do Governo Federal. Todos esses eventos parecem estar conectados e/ou coordenados à mensagem do embaixador chinês e à “carta para a China.”. Na verdade, parece fazer parte de um movimento para tirar a culpa do vírus chinês da China, e transformá-la na grande VENCEDORA, BENEMÉRITA E MUNDIALMENTE MARAVILHOSA contra o COVID-19 (essas expressões foram usadas pelos robôs, pessoas simpatizantes, contratadas ou combinadas para engrossar os ataques ao Governo.

E mais ainda os eventos buscam encobrir os movimentos de implementação do parlamentarismo (inconstitucional, na nossa opinião), conforme PEC enviada pelo STF para o Congresso, o que equivale a dizer que um dos Ministros daquela Corte sinaliza que o projeto é CONSTITUCIONAL.

Por fim, a intenção parece ser mostrar que o Presidente perde apoio enquanto seus desafetos ganham ENORME apoio nas redes sociais.

Bom, essas tentativas anteriores já explodiram na cara do PT e seus “puxadinhos”, em outras oportunidades, como nesta última malfadada CMPI das “fake news”, na qual ficou claríssimo que o partido que usou e abusou de conteúdo impulsionado na internet, nas últimas eleições, foi justamente o PT e seus asseclas.

Agora, o que estamos vendo parece a orquestração de um golpe da esquerda e dos corruptos de plantão, pura e simplesmente, usando como palanque a pandemia de coronavírus e que parece estar conectado à China, de alguma forma.

Deixe tentarem. Estaremos prontos para isso, e saibam: somos a esmagadora maioria. Os robôs, afinal, não somos nós, mas eles.

Fábio Talhari e Clynson Oliveira (Especialista em Guerra da Informação), para Vida Destra, 25 de março de 2.020.

Sigam-nos no Twitter, estamos à disposição para discutir o tema.

@FabioTalhari e @ClynsonOliveira

Fábio Talhari
Últimos posts por Fábio Talhari (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Lau Romão
Lau Romão
3 meses atrás

Muito obrigada pela magnífica explicação!

rick deckard (@rickdeckard1966)
3 meses atrás

Excelente matéria,riquíssima em informações.
Muito bem elaborada.
Grato.

Rita
Rita
3 meses atrás

Outra Aula magistral.

Maria Cecilia
Maria Cecilia
3 meses atrás

Ótima explanação! Nem tudo está perdido, ainda tem gente sensata que pensa com a razão!!!!

Rosana
Rosana
3 meses atrás

Obrigada por suas informações. Fico mais tranquila em saber que vocês estão atentos a esse “jogo de xadrez” e posicionando corretamente as peças no tabuleiro.

Chrys Cardoso Da Silva (@JosCarl64089936)
3 meses atrás

Ótimo estudo,tenho real interesse nesse assunto.Obrigada pelas informações e concordamos que o bloqueio é o remédio para os Mavs.

ROSANA BOLOGNINI RIBEIRO
ROSANA BOLOGNINI RIBEIRO
3 meses atrás

Nossa! Obrigada pelo excelente texto. Fico feliz em ter percebido que alguma coisa estava errada comentado na postagem do .

João Fontebasso
João Fontebasso
3 meses atrás

PODE SER QUE EU ESTEJA ERRADO …. VAI HAVER INTERVENÇÃO MILITAR!
O discurso do Presidente e as medidas tomadas contra a gripe compõe a defesa deste CONTRA golpe eminente.
O bloco EUA, ISRAEL e BRASIL ESTÁ sob ataque …e este mesmo bloco de defenderá militarmente em conjunto .

Nunes
Admin
3 meses atrás

Excelente artigo! Graças a Deus nossa Revista tem informação de primeiríssima qualidade.

Cláudia Corrêa de Andrade
Cláudia Corrêa de Andrade
3 meses atrás

Excelente trabalho, Fábio. Parabéns!

Gogol
3 meses atrás

Excelente como sempre, Fábio! Parabéns ao Clynson também. Eu tive q deixar as redes sociais para preservar a minha saúde e a minha sanidade. Não fugiria de um debate limpo, mas o q esses opositores a este governo fazem é o jogo mais sujo, baixo, vil de q tenho notícia. Fico feliz em saber q não é comportamento da maioria dos brasileiros, mas de mercenários contratados. Devo lembrar, porém, q pessoas boas, por pura distração, acabam ajudando a turma do mal, quando postam matérias da mídia podre, esta q nos faz tão mal; e quando demoram muito a parceber o… Read more »

jsgov@msn.com
jsgov@msn.com
3 meses atrás

Meus parabéns Fábio Talhari e Clinton e ao Clinson , pelo excelente artigo, muito esclarecedor.

Iara Castanheira Del Sarto
Iara Castanheira Del Sarto
3 meses atrás

Muito esclarecedor. Parabéns e obrigada