Com a certificação pelo Congresso da vitória de Joe Biden, temos que refletir sobre como ficarão as relações diplomáticas entre Brasil e Estados Unidos, uma vez que o presidente eleito, em um debate disse que: “A Amazônica é um ecossistema que precisa ser protegido, indispensável ao planeta”. Além disso, prometeu criar um fundo de 20 bilhões de dólares para proteção da Amazônia. Fez ainda, sérias ameaças, como: “Parem de destruir a floresta. Se vocês não pararem sofrerão significativas consequências econômicas“. Bolsonaro desdenhou à época, e qualificou a declaração como “desastrosa e gratuita”.

Se não bastassem Greta Thumberg, pentelha mor do meio ambiente, que é financiada pela Open Society Fundation, de George Soros, dizer que os incêndios na Amazônia são desastrosos, e o nanico francês, Emmanuel Macron, que ao não saber como resolver o corte dos subsídios aos produtos agrícolas franceses, já denunciado na Organização Mundial do Comércio (OMC), vive atacando Bolsonaro pelos desmatamentos, inclusive ameaçando o ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o qual tinha apoio de Trump, agora temos o velho gagá para atrapalhar.

Em entrevista ao Programa Direto ao Ponto, coordenado pelo âncora Augusto Nunes no Youtube, que foi ao ar no dia 14.12.2020, disponível na internet, o Chefe-Geral da Embrapa Territorial, Dr. Evaristo de Miranda afirmou que o Brasil protege em torno de 30% do seu território, incluindo parques nacionais, Unidades de Conservação e terras indígenas, enquanto outros países protegem por volta de 10%.

Além disso, o Brasil tem 66,3% dedicado à proteção da vegetação nativa, 2/3 do território nacional, só que o Governo e a iniciativa privada carecem de uma coalisão para comunicar-se com o exterior, enquanto existem organizações não-governamentais (ONG) criadas só para denegrir o Brasil. Aqui trago aquele velho refrão do Velho Guerreiro, Chacrinha: “Quem não se comunica, se trumbica”!

Inclusive tem que se ter um cuidado com as notícias do exterior, com a Amazônia em chamas, inclusive com girafas correndo, em que é precípuo distinguir queimadas, que decorrem de tecnologia agrícola, podendo ser derivados de uma queimada fora de controle, as quais são combatidas pelos próprios agricultores através de brigadas; de incêndios, geralmente em estradas, os quais são criminosos, inclusive denunciados atualmente pela indústria canavieira.

Segundo nota técnica da Embrapa Territorial, o Bioma Amazônia apresenta uma área total desmatada, que acumula uma superfície de 719.014 km² (jul/2019), equivalentes a 18,9% da parte florestal do Bioma e 17,1% da extensão total, cartografada pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

O INPE também mediu que em 2018, apresentou uma área desmatada de 7.229 km², já em 2019 o número passou para 10.896 km², significando um crescimento de 3.667 km² na Amazônia. Foram adotadas várias medidas pelo Governo Bolsonaro, como a criação do Conselho da Amazônia, e o Brasil Verde, fazendo com que o número esperado para 2020 seja de 11.088 km², um acréscimo de 192 km², em termos percentuais 1,8%, no que podemos dar graças à presença e auxílio do Exército brasileiro.

Também se identificou que existiam 526.177 imóveis rurais no Bioma Amazônia em 2019, que ocupam uma área de 1.488.743 km² ou 35,5% do bioma, mas atenção: apenas de área apropriada, diante de que grande parte é vegetação nativa dada a exigência de 80% da Reserva Legal.

Um alerta do Dr. Evaristo é quanto ao desmatamento ilegal, o qual torna-se perigoso pois pode levar à criminalização do agronegócio. Pelo Código Florestal Brasileiro, ao abrir uma área nova, tem que se manter preservada 80% da área, como Reserva Legal. Só que nos assentamentos rurais, isto é impossível, porque são pequenas áreas de 50 hectares, se for manter preservada 80% da área, o indivíduo vai morrer de fome, porque não tem como plantar, pois os restantes 20% são pequenos demais. Daí entende-se como um desmatamento irregular, carecendo da titularização pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA).

Ainda neste documento, existem 442.619 pequenos agricultores, com menos de 4 módulos fiscais, que representam 90% dos imóveis rurais cadastrados no Cadastro Ambiental Rural no Bioma Amazônia (CAR).

Agora o “X” do problema, os procedimentos de geoprocessamento com o banco de dados do satélite AQUA M-T quantificaram 89.178 queimadas na área do Bioma Amazônia durante o ano de 2019, ou seja, 90% das queimadas detectadas ocorreram em locais já desmatados e estão associados ao uso do fogo na agropecuária por produtores rurais sem conhecimentos técnicos.

Importante ressaltar que geralmente ocorreram 2 queimadas por imóvel rural ao longo do ano de 2019, neste conjunto 5% dos imóveis rurais cadastrados no CAR .

Durante o ano de 2020 foi registrado por satélite um aumento de 23% das queimadas na América do Sul, sendo que no Brasil o incremento foi de 13%, enquanto na Argentina foi de 157%. Todavia, a notícia que impacta é a do Brasil, não da Argentina.

Agora um fator preocupante que o Dr. Evaristo de Miranda ressalta na entrevista é que existem 1 milhão de agricultores na Amazônia, geralmente em assentamentos, os quais são invisíveis para a mídia brasileira, dos quais menos de 3% praticam queimadas no Bioma da Amazônia, ou seja em torno dos 5% dos imóveis rurais.

Estes produtores localizados em assentamentos dependem basicamente da burocracia para lhe ser assegurado o título de propriedade pelo INCRA, hoje a mãe de todos os problemas no agronegócio é a regularização fundiária.

O ponto crucial da nota técnica da Embrapa Territorial demonstra que existem tecnologias para se substituir as queimadas, que dependem principalmente da disponibilização do crédito —inexistente — e da extensão rural — sucateada.

Uma notícia alvissareira de que há previsão de um programa do Ministério da Agricultura, com recursos da ordem de R$ 500 milhões, anuais, para o Floresta + Carbono, oriundos do Fundo Climático.

Notícias que podem denegrir a imagem brasileira, são dadas como uma bomba pela jornalista Miriam Leitão, ao dizer que o desmatamento na Amazônia, foi de 10.000 km², sendo que existem 26 florestas, que cobrem 49,3% do Brasil. Todavia, a jornalista não sabe qualificar em qual região, como quanto foi no Pará, quanto foi no Acre e quanto foi em Rondônia, de forma que a Embrapa verifique. E o Dr. Evaristo de Miranda considera desastroso o impacto da notícia, com o efeito imediato no índice IBOVESPA, que mede a variação das ações das 75 maiores empresas listadas na Bolsa, e que apoiam a sustentabilidade.

Já tem gente antenada com o clima, e que já está até criando programas de descarbonização de pessoas e empresas, via blockchain e reservas florestais próprias (particulares) na Amazônia.

Concluo dizendo que o Brasil tem que ter um órgão oficial de comunicação com o exterior, para evitar comentários falaciosos de atores como Leonardo Di Caprio; adotar medidas urgentes com a política fundiária e de abertura de crédito para substituição da prática de queimadas por tecnologia. Com isto evitam-se, pelo menos, ataques de Joe Biden, e se mantém a participação do Brasil na OCDE.

 

 

Luiz Antônio Santa Ritta, para Vida Destra, 13/01/2021.
Sigam-me no Twitter! Vamos conversar, contar “causo”! @LuizRitta

 

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao [email protected]
Luiz Antonio Santa Ritta
Últimos posts por Luiz Antonio Santa Ritta (exibir todos)
A partir de 1 de Fevereiro, não utilizaremos mais o Instagram e Whatsapp por causa da nova política do Face. Utilize nossos canais oficiais
📢 Canal Telegram 📢 t.me/vidadestra
👥Grupo Telegram 👥 t.me/VidaDestraGrupo
📰Canal Boletim Vida Destra 📰 t.me/BoletimVidaDestra
Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Nunes
Admin
12 dias atrás

Título melhor, não há.

Moises
Moises
12 dias atrás

Excelente

Sander Souza
Editor
12 dias atrás

Ótimo artigo! Lido e compartilhado!

evaristoborgesjr@hotmail.com
12 dias atrás

O último link não está funcionando! Vcs estão na GAB? Nossa intenção conservadora é abandonar Facebook, insta, whatsapp… até médio prazo no máximo….

FABIO PAGGIARO
12 dias atrás

Concordo, Santa Rita. Essa guerra é no campo psicossocial, é guerra de informação, portanto temos que atuar nele. E não adianta falar para a ONU, ONgs, Chefes de Estado, embaixadores. Eles usam isso politicamente e não vão mudar de ideia, pois sabem a verdade, que não convém aos seus interesses. O alvo da comunicação deve ser as populações dos países desenvolvidos. E mais. Temos que adotar medidas significativas e de impacto urgente. Os incêndios ocorrem todos os anos e temos que montar uma força tarefa para chegar nos locais no início das queimadas e prender quem tiver que ser preso,… Read more »