Por Vinicius Mariano                                                                              @viniciussexto

 

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, negou, na última segunda-feira (11), uma açã movida pelos senadores Jorge Kajuru e Alessandro Vieira, que pediam para que o STF obrigasse o presidente da CCJ – Davi Alcolumbre – a pautar a sabatina do ex-ministro da Justiça, André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao STF.

Como argumento, Lewandowski disse que a Constituição não determina o rito processual da aprovação do indicado pelo presidente ao Supremo, devendo esse processo ser tratado pelo regimento interno do Senado, e que devido à separação dos poderes, não caberia ação judicial para isso.

Revés para Mendonça
Davi Alcolumbre disse que irá segurar a sabatina de André Mendonça até 2023, ano em que o presidente poderá ser outro devido às eleições de 2022. Caso o candidato do PT vença, o partido terá indicado a ampla maioria na Corte, uma vez que, durante o mandato 2023 – 2026, o presidente irá indicar 3 ministros se Alcolumbre cumprir sua promessa.

Com isso, o PT teria indicado 8 ministros ao STF e, se contar com Alexandre de Moraes, indicado por Michel Temer, vice da ex-presidente Dilma, esse número pode chegar a 9 em um momento de crise do poder Judiciário e de descrédito dele perante a sociedade.

 

*Esta notícia pode ser atualizada a qualquer momento.

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
PAULO ROBERTO ZANETTI
5 dias atrás

Quando foi para fazer a CPI, o 5TF se manifestou junto a Camara. Quando não quis o voto impresso, o ministro do 5TF e do TSE interferiu no congresso. Quando o 5TF poderia apenas lembrar a função do Senado, neste caso, o 5TF se omite. Sim, sabemos o 5TF tem um lado. Não deveria, mas tem.

Hercilia Maria Conti
Hercilia Maria Conti
5 dias atrás

Quem é Alcolumbre? Sujeitinho ressentido! Deve ser porque nas eleições passadas não conseguiu colocar o irmão em cargo público. Não precisamos de “políticos ” desse quilate.