Prezados leitores:

Publicamos mais uma tradução de artigo da imprensa internacional feita pela nossa colaboradora, a jornalista e tradutora Telma Regina Matheus. Apreciem!

 

O filme pró-América ‘Top Gun: Maverick’ atinge poderoso marco histórico e supera ‘Titanic’, nos Estados Unidos

 

Maverick, interpretado por Tom Cruise, tem uma resposta simples: “Não hoje”.

 

Fonte: The Western Journal

Título original: Pro-America ‘Top Gun: Maverick’ Hits Massive New Milestone, Passes ‘Titanic’ in the US

Link para o artigo original: aqui!

Publicado em 10 de agosto de 2022

 

Autor: Grant Atkinson

 

“Top Gun: Maverick”, o novo filme de enorme sucesso, continua ascendendo nos índices históricos de bilheteria e, recentemente, superou mais um filme icônico de toda a história do cinema americano.

De acordo com o site Box Office Mojo, “Maverick” eclipsou “Titanic” e tornou-se o sétimo filme de maior bilheteria nos Estados Unidos.

Até quarta-feira, o filme tinha faturado US$ 664.758.251,00 em solo americano.

″[‘Maverick’] está fazendo algo que apenas um punhado de filmes conseguiu fazer na era do blockbuster moderno”, disse o analista de mídia Jeff Bock à CNBC.

O filme campeão de bilheteria de todos os tempos é “Guerra nas Estrelas: Episódio VII – O Despertar da Força”, que rendeu US$ 936.662.225,00 nos Estados Unidos, e que é seguido por “Vingadores: Ultimato” e “Homem-Aranha: Sem volta para casa” para completar os três primeiros lugares. Em quarto lugar está “Avatar”; em quinto, “Pantera Negra” e, em sexto, “Vingadores: Guerra Infinita”.

Estes são os únicos filmes que faturaram mais do que “Top Gun: Maverick”, nos Estados Unidos.

Em termos mundiais, “Maverick” havia faturado US$ 1.354.758.251,00 até quarta-feira, o que é ótimo para o 13º de todos os tempos.

Ao analisar o sucesso desse filme, é impossível não notar seu viés pró-América.

Já no início do filme, “Maverick” praticamente declara, na tela, seu amor pela América. Há algo inerentemente pró-americano no F/A-18 Super Hornets decolando de um porta-aviões, ao som de “Danger Zone”, de Kenny Loggins.

Mas o amor do filme pela América vai muito mais fundo. A trama, que se concentra em torno de um lendário piloto da Marinha provando que ainda é capaz de voar com os melhores, é um tipo de metáfora para o país como um todo.

Logo no começo, o Almirante Chester Cain, interpretado por Ed Harris, tenta convencer Maverick de que ele é uma relíquia do passado, que logo se tornará irrelevante. Maverick, interpretado por Tom Cruise, tem uma resposta simples: “Não hoje”.

Pode ser que, um dia, a América não seja mais a força global que tem sido há décadas. Como cristãos, sabemos que a única realidade constante é o domínio de Deus sobre o mundo.

Mas os americanos precisam saber que, se esse dia chegar, não será hoje. A América ainda está aqui, e ainda estamos preparados para lutar por tudo o que amamos.

“Maverick” também é excepcionalmente livre de qualquer mensagem identitária ou propaganda esquerdista. O que não se pode dizer de muitos filmes produzidos em 2022.

Por exemplo, o novo filme da Disney e da Pixar, “Lightyear”, incluiu um beijo lésbico como sinalização de virtude para o público identitário. Até quarta-feira, esse filme tinha obtido uma bilheteria de US$ 118.141.729,00 em solo americano, o que o deixou como o de nº 592 na lista histórica.

O que isso diz sobre o conteúdo que os americanos querem ver na telona?

Não se iluda – o sucesso de “Top Gun: Maverick” não é um golpe de sorte. É, sim, um claro indicativo de que a maioria dos americanos ainda ama a América.

 

*Grant Atkinson é graduado em jornalismo pela Virginia Tech. Com cinco anos de experiência, escreve para vários meios de comunicação e gosta de fazer reportagens sobre política e esportes.

 

 

Traduzido por Telma Regina Matheus, para Vida Destra, 15/08/2022.                                  Faça uma cotação e contrate meus trabalhos através do e-mail  [email protected] ou Twitter @TRMatheus

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo através do nosso canal no Telegram!

 

As informações e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade de seu(s) respectivo(s) autor(es), e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao [email protected]
Acompanhe me
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments