O Presidente Bolsonaro convidou para a live da última quinta-feira, dia 14 de abril de 2022, o Presidente da EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Celso Moretti, para explicar a atual situação do trigo diante da guerra entre Rússia e Ucrânia, já que se trata de uma questão de segurança alimentar, e o Brasil importa 40% do trigo consumido no país, e aventa-se que haverá um repique inflacionário nos alimentos a ser convivido durante alguns anos.

Segundo o Presidente da EMBRAPA, o Brasil produz algo em torno de 7 milhões de toneladas por ano (t/ano) de trigo e tem uma demanda anual de 12 milhões de t/ano, em virtude do consumo anual per capita estar na faixa de 55 quilos do cereal, entre pão, massas e biscoitos, fazendo com que importemos aproximadamente 5 milhões de t/ano, o que, na atual situação da guerra da Ucrânia, nos coloca em risco de abastecimento.

De acordo com Moretti, o maior exportador de trigo para o Brasil é a Argentina, que pode sofrer paralisações, diante de que, o Presidente Bolsonaro alerta sobre um possível desabastecimento de diesel que enfrentam os hermanos, o que ocasionaria reflexos no trigo enviado para o Brasil.

No tocante à produção brasileira, o trigo é produzido principalmente no sul do país, em uma área de 2,3 milhões ha, cuja produtividade está em torno de 2.300 a 2.400 kg/ha.

Graças a Alisson Paulinelli, ex-ministro da Agricultura no Governo Geisel (1974 a 1979), que viu na EMBRAPA, uma instituição de ciência, tecnologia e inovação criada em 1973, a saída para deixarmos de ser importadores de alimentos, enviando 1.000 jovens pesquisadores para Estados Unidos, Europa e Japão, de modo que trouxessem tecnologia do mundo temperado para o mundo tropical.

Afirmou Moretti, na live, que, em menos de 5 décadas, a agricultura é movida pela ciência e, a partir de 2012, a EMBRAPA, uma das potências agroambientais, trouxe o trigo para o cerrado goiano e mineiro, o que possibilitou recentemente ao produtor Paulo Bonato, de Cristalina (GO), utilizando tecnologia da EMBRAPA, atingir o recorde mundial de produtor de trigo, com a produtividade de 9.630 kg/ha, em uma área de 50,8 ha, que pode ser conferida em notícia de 17 de setembro de 2021, no site da EMBRAPA, “Trigo irrigado no Cerrado bate sucessivo recorde mundial de produtividade com cultivar da EMBRAPA”. Lembre-se que a média nacional da produtividade no Sul está em torno de 2.300 a 2.400 kg/ha.

O Presidente Bolsonaro questionou se, dependendo da região, temperatura e precipitação pluviométrica, há possibilidade de aumento da produtividade, o que foi respondido positivamente por Moretti, ressaltando o emprego de tecnologia. Inclusive, existe uma região de lavrado em Roraima, com aproximadamente 1 milhão de terras agricultáveis, em que 20.000 ha já se encontram sistematizados com irrigação e, por mérito dos experimentos da EMBRAPA, foi possível reduzir o ciclo de cultivo do trigo para 66 dias, frente aos 110 a 115 dias no Sul do país.

Presidente Bolsonaro pergunta a Moretti: e o Brasil pode se tornar autossuficiente em trigo? Moretti diz que a EMBRAPA mapeou 204 milhões de ha nos cerrados de Goiás, Minas Gerais e Oeste da Bahia, equivalente a 204 milhões de campos de futebol, sendo que foram identificados 2 milhões de áreas consolidadas — é  a área de imóvel rural com ocupação antrópica (resultante da ação humana), preexistente a 22 de julho de 2008, com edificações, benfeitorias ou atividades agropastoris, admitida, neste último caso, a adoção do regime do pousio (descanso dado a uma terra cultivada por um ou mais anos) — que poderiam ser utilizadas para trigo, mas sem desmatar 1 mm do Cerrado.

Alerto que a Lei 12.651/2012, o Código Florestal, alterou os conceitos de áreas rurais consolidadas, bem como estabeleceu que o imóvel rural, nesta área, tem que ter 20% de reserva legal, a título de proteção da vegetação nativa, sem prejuízo das normas próprias de proteção de Áreas de Proteção Permanente (APP), fazendo com que o Brasil tenha em torno de 2/3 do território nacional dedicado à proteção da vegetação nativa, frente aos países europeus que não têm regulamentações tão exigentes.

Voltando ao aspecto da autossuficiência, Moretti diz que nós temos 2,3 milhões de ha plantados no Sul, podendo acrescer em 2 milhões de ha plantados no Cerrado, o que possibilitaria dobrar a produção de trigo e nos tornaríamos um dos 10 maiores exportadores de trigo. Vamos à demonstração dos cálculos:

Área Produtividade Produção
Sul – 2,3 milhões/ha 2.300 kg/ha 5.290 toneladas
Cerrado – 2 milhões/ha 9.630 kg/ha 19.260 toneladas
24.550 toneladas
Produção atual 12.000 toneladas
Exportação 12.550 toneladas

 

O Presidente Bolsonaro comenta que chegaríamos à casa das 24,5 toneladas produzidas de trigo, o dobro do que consumimos, situação que permitiria alimentar os 200 milhões de brasileiros e fornecer para o exterior, dando um salto para o futuro, graças ao ex-ministro Alisson Paulinelli.

Trago também parte do discurso do Presidente Bolsonaro na assinatura dos Decretos do Recicla+ e Plano Nacional de Resíduos Sólidos, em que ele disse que o mundo consome cada vez mais. Levando-se em conta, inclusive, que se cresce 50 milhões de habitantes todo ano no planeta Terra, aproximando-se de 8 bilhões de habitantes.

Combinado o que disse a ex-ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, que o agro brasileiro é responsável por alimentar 800 milhões de pessoas, quase 10% da população. Inclusive, no prato do estrangeiro, dentre 5 alimentos, um é genuinamente brasileiro.

Independentemente do otimismo de Moretti, de que poderíamos chegar a estar entre os 10 maiores exportadores de trigo, principalmente porque se baseia em uma produtividade do Cerrado alcançada apenas por um produtor de Cristalina, de 9.630 kg/ha, em uma área de 50,8 ha, hipótese improvável de repetir na área de 2 milhões de ha e da inexistência de comprovações científicas de idêntica façanha, encontrei apenas um estudo da EMBRAPA com o título “Trigo BRS 394, cultivar para o Cerrado do Brasil Central”, de setembro de 2020, de diversos autores,  disponível na Internet, em que foi obtida a produtividade de 7.000 kg/ha.

Refazendo-se os cálculos do Cerrado com 7.000 kg/ha, alcançaríamos 14 t/ano, que, acrescidas às 5.290 t/ano, implicariam uma produção total de 19.290 t/ano, e subtraída a demanda de 12.000 t/ano, ainda sobrariam 7.290 t/ano para exportação. Uma situação muito mais próxima da realidade!

Quanto ao impacto dos fertilizantes na próxima safra, que começa em setembro de 2021, Moretti afirma que o produtor brasileiro planejou com certa antecedência e que a EMBRAPA pretende aumentar a eficiência dos fertilizantes de 60% para 70%, fato que possibilitará uma economia de US$ 1 bilhão.

Moretti ainda complementa que está lançando o nome de Alysson Paulinelli para o Prêmio Nobel da Paz, porque segurança alimentar é sinônimo de PAZ SOCIAL. Aproveito para convidá-los a assistir o documentário Cortina de Fumaça, da produtora Brasil Paralelo, disponível na Internet, em que há uma entrevista com o ex-ministro.

Lamentável é a greve da Receita Federal, que “segura” o trigo importado nos portos do Brasil, ocasionando futuramente aumento do pão francês, prejudicando sobremaneira a população brasileira, conforme notícia de 16 de abril de 2022, do jornalista Cláudio Humberto, no Diário do Poder e no Twitter. Tal situação é inadmissível à inspeção de um serviço essencial, dado que a segurança alimentar é questão de segurança nacional.

Por fim, é esperançoso que o Brasil se torne autossuficiente em trigo, bem como incremente a Balança Comercial com exportações, trazendo divisas para o país, aliado ao fato de que, no futuro, o brasileiro se alimentará com o pãozinho a um custo mais acessível. Agora a pergunta que fica é: em quanto tempo?

 

 

Luiz Antônio Santa Ritta, para Vida Destra, 20/04/2022.
Sigam-me no Twitter! Vamos debater o meu artigo! @LuizRitta

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

 

As informações e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade de seu(s) respectivo(s) autor(es), e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao contato@vidadestra.org
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments