Padre, eu quero me confessar. Eu votei no Jair Bolsonaro e estou muito preocupado em perder a minha salvação eterna por causa de tal ato impensado.

Sabe padre, eu pensei que votar em alguém que fosse contra o aborto estivesse de acordo com o que ensina a Santa Igreja a qual o senhor jura defender, e também de acordo com o Cristo, a quem representas aqui na terra.

Sabe padre, eu pensei que votando num candidato que eleva o nome de Deus acima de todos os outros eu estivesse agindo de acordo com os mandamentos do Altíssimo e da Igreja. Bem, pelo menos foi isso que me ensinaram na catequese. Pode ser que tenha mudado, não?

Sabe padre, eu não sabia que o Bolsonaro era um bandido, talvez seja por isso que tentaram assassiná-lo, não é? Exatamente como fizeram com Celso Daniel e Toninho do PT. Veja como os bandidos e corruptos amam o presidente. Se eu soubesse disso antes eu teria desistido de votar em alguém assim.

Eu pensei que votando em quem defende que nossas crianças tenham suas infâncias protegidas de ideologias que visam destruir suas inocências e purezas, eu estivesse de acordo com o que o Nosso Senhor Jesus Cristo, cabeça da Igreja que o senhor pastoreia, nos ensina a respeito delas, que são tão amadas por ele.

Eu juro que pensei que votar em um homem que defende Deus, pátria e família fosse algo bom e que estivesse de acordo com os mandamentos da própria Igreja em seu catecismo. Mas é claro que eu deveria ter escolhido outro, não é mesmo? Afinal, a revolução francesa já aconteceu há bem mais de 200 anos.

Eu achei que não querer de volta uma ideologia que sozinha já matou mais de 100 milhões de pessoas ao redor do mundo, inclusive de fome, e, que por onde passa deixa um lastro de miséria, fosse um ato de amor a Deus e à Igreja, que também sofreram muito por causa desse mesmo pensamento.

Eu pensei que o “perigo ameaçador, bolchevista e ateu, que se propõe como fim peculiar revolucionar radicalmente a ordem social e subverter os próprios fundamentos da civilização cristã.” denunciado e excomungado nas encíclicas de três grandes papas (Pio IX, Qui Pluribus, 1846; Leão XIII, Quod Apostolici Muneris 1878; Pio XI, Divini Redemptoris, 1937), fosse o suficiente para me fazer perder a salvação e a comunhão com a Igreja de Cristo. Pelo jeito isso já mudou. O mal é Bolsonaro, o Comunismo é bom. Perdão, padre; eu pequei!

 

Obrigado pela leitura! Eu fico por aqui.! Até a próxima!

Siga-me no Parler: @Jota71alves

Dica de livro: Como Ser Um Conservador, Roger Scruton

 

João Alves, para Vida Destra, 07/07/2020

João Alves
Acompanhe me
Últimos posts por João Alves (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Alfredo Marques Magalhães
Luiz Alfredo Marques Magalhães
1 mês atrás

Muito bom! Que a mente desse padre comunista se ilumine com a dose cavalar de ironia contida no texto.

Sander Souza
Sander Souza
1 mês atrás

Excelente!
Meus parabéns!

Maria Dalva Soares Fonseca
Maria Dalva Soares Fonseca
1 mês atrás

Parabéns pelo texto. Deus continue te iluminando

Nunes
Admin
1 mês atrás

Excelente meu amigo!

Moises
Moises
1 mês atrás

Perfeito

Sandra Silva
Sandra Silva
1 mês atrás

Texto maravilhoso!

Mauro Tagliari
Mauro Tagliari
1 mês atrás

Brilhante texto. Parabéns!