Eu apoio o governo do presidente Jair Bolsonaro. Não o considero perfeito, creio que há muitos pontos que merecem críticas. E sim, podem me xingar à vontade, eu me considero livre para fazer criticas ao governo e a quem, ou o que, eu achar que deva criticar. Eu realmente não gosto desse pessoal que acredita que devemos apoiar cegamente, fingindo não ver os erros, como se a crítica não fosse também um instrumento de aperfeiçoamento.

A situação atual do país, embora tenha muitos aspectos positivos, chegou a um ponto no qual me sinto quase que obrigado a fazer alguns questionamentos. O primeiro deles é: até que ponto os partidos do “centrão” farão o presidente Bolsonaro de refém? Faço este questionamento porque, a meu ver, já está mais que claro que o presidente vem sendo chantageado há tempos. Qual a chantagem? A continuidade no cargo em troca de cargos e ministérios, num toma lá dá cá que o presidente tinha o mérito de ter eliminado logo no início do seu governo. Aos poucos, estamos vendo o establishment minando o governo Bolsonaro, pedindo a cabeça de ministros e impondo um preço pela governabilidade que pode ser alto demais.

Dessa situação decorre o meu segundo questionamento: mesmo que o presidente Bolsonaro seja reeleito para mais um mandato, ele tem condições de fazer as mudanças que o país precisa, e que o povo tanto anseia, considerando-se o preço político a ser pago, ou será que teremos apenas mais quatro anos de um governo refém da velha política, sendo obrigado a lotear o Executivo federal?

É interessante observarmos que o governo tem sido bem sucedido na área econômica, saneando as contas públicas e colocando as empresas estatais no azul, mesmo com o impacto causado pela pandemia da covid-19. Em termos simples, estamos vendo o governo arrumar a casa na área econômica, enchendo os cofres públicos. Mas será que tudo isso está sendo feito com as bênçãos dos velhos políticos, que estão permitindo que o governo arrume as contas públicas, para que no momento em que eles retornarem ao poder, já peguem o país com os cofres abarrotados de dinheiro para que eles façam a festa? Sem o voto impresso e auditável, fica difícil acreditar que o processo eleitoral seja livre de fraudes. Não é difícil crer que as urnas eletrônicas atuais refletirão as pesquisas eleitorais dos institutos de pesquisas, que apontam Lula com larga vantagem sobre Bolsonaro.

Sei que os meus questionamentos serão considerados como heresia por parte da Direita, e não me importo com isso. De patrulha, já me basta aquela feita pelos esquerdistas. Não vou me submeter a qualquer tipo de patrulhamento que tente cercear o meu direito e a minha liberdade de pensar e questionar.

Não vou deixar de apoiar o governo e o presidente Bolsonaro. Até porque, não há alternativa melhor que ele. Eu realmente acredito que se as medidas do governo tivessem sido todas aprovadas e implementadas, ao invés de serem desidratadas, boicotadas ou simplesmente ignoradas pelo Congresso, ou ainda derrubadas por decisões do STF, o país estaria muito melhor, mesmo enfrentando a pandemia.

Mas, não consigo deixar de pensar até onde a política permitirá que o governo avance. Será que conseguiremos avançar o quanto queremos e o quanto o Brasil precisa, ou será que só nos permitirão avançar o suficiente para tirar o país da UTI, para que o paciente não morra, mas tenha saúde suficiente para continuar sendo parasitado?

Sei que apresentei muito mais questionamentos que o previsto inicialmente, e mais questionamentos que respostas. Mas o meu objetivo aqui é justamente questionar, e promover o questionamento, rompendo essa barreira ridícula que algumas pessoas ditas de Direita tentam colocar, sob o argumento que a crítica prejudica o governo e favorece a esquerda e os opositores. Quero jogar por terra esse argumento ridículo, pois o que prejudica o governo é fingir que tudo é perfeito e ignorar os problemas. Problemas devem ser resolvidos, nunca ignorados. O preço da ignorância é alto demais.

Termino com aquela velha história do sapo que está dentro de uma panela, cuja água vem sendo lentamente aquecida, e com um último questionamento: o sapo morrerá cozido, ou sairá da panela a tempo?

 

 

Sander Souza (ConexãoJapão), para Vida Destra, 23/07/2021.
Vamos discutir o Tema! Sigam-me no Twitter @srsjoejp e no Parler @Srsjoejp                  Acessem também o meu blog: Blog do Sander

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

 

As informações e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade de seu(s) respectivo(s) autor(es), e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao contato@vidadestra.org
Sander Souza
Acompanhe me
Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Resumindo.
Até quando o Presidente será refém do Centrão?
Até a gente aprender a votar.
Pq Omar, Renan, Maia, Feghali, entre outros, sequer deveriam estar lá.
A obrigação do Presidente é Governar, com o que tem.
A nossa é escolher quem irá Governar.
Acho que ele está fazendo tudo o que pode e, na medida do possível, está acertando.
Então, pelo que tudo indica, o erro está em nós.

Claudio
Claudio
1 mês atrás

Bom dia. Considero os questionamentos válidos e faço outros. Como vamos combater esse sistema nefasto que se retroalimenta em toda eleição? Outro ponto é como mostrar para a massa ignorante que existe esse problema crônico da votação e da forma de governar? Para mim, Bonoro está sendo o melhor de todos, mas, como mostra no artigo, o sistema limita seus passos e boicota o crescimento do país. Infelizmente, muitos do povo apoiam isso e se deleitam com a desgraça de muitos. Mas tenho esperança e acredito na mudança para melhor.

André
André
1 mês atrás

Ótimo artigo, deve representar a visão de muitos. Mas, o sistema que temos, baseado na CF socialista de 1988 é esse aí, o PR só governa refém do CN. E o CN é recheado de políticos que se perpetuam no poder independente de votos próprios. Por outro lado, temos a dobradinha Sen x 5TF, em que ninguém solta a mão de ninguém. Vejo apenas duas opções, a atual, buscando alguma governabilidade, ou a ruptura. A governabilidade (ainda que pobre) é opção estratégica. A alternativa, não dá para fazer só. Se tentar sem o devido apoio, terminará preso e entregará o… Read more »

Rose Mary Carvalho Telles
Rose Mary Carvalho Telles
1 mês atrás

Não, não gostei nada do que você disse. Você só salientou o que sabemos e fomentou críticas desnecessárias. Você desgotou do governo dele muito facilmente, você entende que ele está “refém”, mas não valorizou o tanto que ele tem feito e tem swgurado as pontas. Aponte soluções ou melhor uma só! Decepcionou-me!