Começo esse meu primeiro artigo no Vida Destra falando sobre uma pequena palavrinha que pode não parecer muito simpática, a priori, mas que anda muito em voga no nosso dia-a-dia – HISTERIA. De acordo com o dicionário, histeria significa “Comportamento que se define pelo exagero de sentimentos emotivos diante de uma situação específica ou provocado por outros motivos” (Fonte: https://www.dicio.com.br/histeria/). Na realidade, é muito mais do que se vê na sociedade hoje. A impressão que se tem, inclusive, é de que essa histeria está tão arraigada que se tornou estrutural.

Para não voltar muito no tempo, começo por 2018. Aí você que está lendo esse texto pode pensar assim: “tá, mas por que justamente esse ano?”. Explico: quem aí não se lembra no que se pautou a campanha do então deputado federal Jair Bolsonaro, e principalmente, na reação do pessoal que gritava insistentemente “ele não?” Foi a histeria – e ouso dizer de lado a lado – quem elegeu o deputado federal considerado de baixo clero, e, na esteira, seus filhos Flávio e Eduardo Bolsonaro; este último como o mais votado parlamentar da história.

A mesma histeria fez com que o lado canhoto do país rotulasse cada apoiador do presidente de “gado”. Esse mesmo sentimento transformou discurso de ódio em “liberdade de expressão” (quem não se lembra dos áudios de uma professora gaúcha desejando a morte de quem pensa diferente dela, não importando a idade?); uma juventude que vive – em sua maioria, na bolha da internet – em eleitores de tipos que apoiam de aborto à ideologia de gênero; de descriminalização das drogas à eutanásia; passando pela defesa de minorias que (oh, surpresa) se alimentam dessa mesma histeria.

Mas faltou, pra finalizar, o prato principal: a pandemia. Governadores e prefeitos se valeram como nunca dessa histeria e levaram a população ao extremo – fome, desemprego, miséria, depressão. Trancafiaram todos em casa – sob pretexto da saúde – e, agora, só vão liberar a saída (controlada) mediante vacina; já que a histeria (de novo ela!) demonizou todo e qualquer tratamento precoce contra um vírus de letalidade baixíssima.

Sempre desconfie de alguém que queira impor sua opinião à base de histeria. Ela vai ganhar, no máximo, a antipatia do ouvinte. Pense nisso!

 

 

Lucia Maroni, para Vida Destra, 15/12/2020.                                                              Sigam-me no Twitter, vamos debater o tema! @rosadenovembroo

 

 

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao [email protected]
Lúcia Maroni
Acompanhe me
Últimos posts por Lúcia Maroni (exibir todos)
A partir de 1 de Fevereiro, não utilizaremos mais o Instagram e Whatsapp por causa da nova política do Face. Utilize nossos canais oficiais
📢 Canal Telegram 📢 t.me/vidadestra
👥Grupo Telegram 👥 t.me/VidaDestraGrupo
📰Canal Boletim Vida Destra 📰 t.me/BoletimVidaDestra
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Sander Souza
Editor
1 mês atrás

Seja bem-vinda ao time, e parabéns pelo excelente artigo de estreia!

Welton Reis
1 mês atrás

Histeria provocada pelo teatro midiático sem respostas da maioria do parlamento, aceitando o absurdo sem contestar. Estamos indefesos! Parabéns pelo artigo!

FABIO PAGGIARO
1 mês atrás

Parabéns, Lúcia. Excelente entrada no time. É disso que se trata: criaram histeria para impor autoritarismo.

Luiz Antonio
1 mês atrás

Neste artigo de estreia de @rosadenovembroo sobre titular o Brasil, um país de histeria, concordo plenamente. Ainda mais, quando uma louca tatua uma suastica, tentando incriminar Bolsonaro. Agora, coloca Dória e Lewandowski para vacina. Será uma gde histeria!