Segundo consta, “a caça às bruxas” foi um movimento de perseguição social e religiosa iniciada no século XV, com leis específicas, criadas por Reis e governantes.

O conceito de bruxaria surgiu na Idade Média, atingindo seu apogeu nos séculos XVI a XVIII, principalmente na Europa. 

Segundo o livro Martelo das Feiticeiras, bruxa (ou bruxo) era alguém que praticava magia para fins malignos, com a ajuda do demônio.

Porém, nem todos os acusados de bruxaria, praticavam o mal. Às vezes eram só mulheres, camponesas pobres que viviam sozinhas em pequenos casebres, e que, para sobreviver, normalmente atuavam como curandeiras fazendo simpatias, chás e remédios naturais.

Então, bastava alguma acusação, por motivo de inveja, antipatia, discordância e/ou brigas, para que já fosse condenada como bruxa, devido à histeria do vilarejo.

Os juízes examinavam o corpo das supostas bruxas em busca de “marcas do Diabo” – verrugas, sinais de nascença ou simples cicatrizes. Torturadas física e psicologicamente, normalmente confessavam, mesmo se não tivessem parte com o mal. E o destino: a fogueira.

Porém, atualmente, o termo “Caça às Bruxas” ganha um novo significado.

Com o surgimento do fascismo, nazismo e Socialismo/comunismo, caça às bruxas passou a ser sinônimo do que conhecemos como acusações, prisões e condenações arbitrárias.

Os regimes totalitários, normalmente, não precisam de justificativas para essa  prática,  afinal, fizeram genocídio contra os que se opõe a sua autoridade. Ainda hoje, temos exemplos como China, Coreia do Norte, Cuba e Venezuela entre outros.

A Cristofobia, como citei em artigo, nada mais é, do que uma “caça às bruxas”.

Mas, também, encontramos caça às bruxas em democracias. E um bom exemplo disso é o que acontece, hoje, no Brasil, e que foi imposta por quem deveria ser o guardião da Constituição Federal.

Em 27 de maio deste ano, o STF, baseado no inconstitucional inquérito 4781 (fake News), começou uma caça as bruxas, contra jornalistas, blogueiros e influenciadores digitais, pelo simples fato de serem apoiadores do presidente Bolsonaro, ou por certas atitudes contra o supremo e seus ministros.

Porém, a história não para por aí. E quero chamar a atenção à PL 2630/2020 aprovada no Senado, em 30/06, que, ao chegar a Câmara dos deputados, ganhou um texto substitutivo de autoria de deputado comunista Orlando Silva (PCdoB-SP). O novo texto prevê até 5 anos de reclusão para quem disseminar fake news capazes de “ameaçar a integridade mental” e a “higidez do processo eleitoral”.

Veja o que diz o trecho do substitutivo de Orlando Silva:

“Promover, constituir, financiar, ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, ação coordenada, mediante uso de robôs e outros meios para disparo em massa de mensagens que veiculem conteúdo passível de sanção criminal ou fatos sabidamente inverídicos capazes de colocar em risco a vida, a integridade física e mental, a segurança das pessoas, e a higidez do processo eleitoral pena: reclusão, 1 a 5 anos e multa” (grifei) 

O que seria “integridade mental”?

Se eu falar: “parece que o supremo Fulano de Tal solta todos os investigados que pedem HC a ele” – estou somente emitindo minha opinião, e não seria ofensa, nem ataque.

No entanto, se o Ministro Fulano de Tal disser que ficou mentalmente abalado poderá me processar.

E, note que a definição do que é “capaz de ameaçar a integridade mental” será feita, claro, pelos políticos.

Ou seja, vão intensificar a chamada caça às bruxas a opositores e a quem questionar sua atuação parlamentar – mesmo que se tratem apenas de opiniões (aliás, protegidas pela Constituição) agindo tão arbitrariamente, quanto no Séc. XV.

 

 

Adilson Veiga, para Vida Destra, 06/10/2020
Vamos discutir o Tema. Sigam-me no Twitter @ajveiga2 e no Parler @AJVeiga

Adilson Veiga
Acompanhe me
Últimos posts por Adilson Veiga (exibir todos)
Amigos e leitores, pessoas físicas/jurídicas! Colaborem com a Revista @vidadestra sem tirar dinheiro do seu bolso. Baixe o app LunesPay e ganhe 25 pontos de vantagens. Seremos remunerados por cada download a partir do nosso link. Contamos com a direita! https://bit.ly/BaixeLunesPay-0
Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Sander Souza
Sander Souza
19 dias atrás

Parabéns por mais um excelente artigo!
Lido e compartilhado!

Nunes
Admin
19 dias atrás

Excelente artigo! É tudo verdadeiro, infelizmente. Métodos para tentarem calar quem pensa e age ao contrário.

Luiz Antonio
18 dias atrás

No excelente art. de @AJVeiga s/a caça às bruxas,q vamos dar os nomes aos bois, q com o substitutivo do comunista quer fazer aos conservadores e bolsonaristas por opiniões dadas.Até o desagrado pela indicação do Min., gera o cancelamento e colocação na fogueira de formadores de opinião como Allan e Ruschell.

Fábio Sahm Paggiaro
18 dias atrás

É isso mesmo, Veiga. O STF e o Congresso Nacional estão reinstituindo a Inquisição no Brasil. Se utilizam de denominações que não podem ser devidamente conceituados para definir crimes. Um absurdo. Chega a ser até cômico, pois como falar que se atingiu a integridade mental de um político? Eles têm isso? Antes dessas iniciativas totalitárias, deveriam exigir integridade moral de congressistas e magistrados.

Nino Oliveira
Nino Oliveira
18 dias atrás

Muito bom!

Texto conciso e objetivo e com informações contextualizadas. Os fatos, e principalmente os leitores agradecem.

Parabéns.

Angelo Lorenzo
Editor
18 dias atrás

Parabéns, Veiga! Assunto seríssimo! E o substitutivo precisa ser derrubado. Suas hipóteses farão meter na cadeia qualquer um. E eles esquecem que isto poderá ser usado contra eles, no futuro. É o resultado de quem só pensa no hoje.