Manifestantes em Havana protestam contra escassez e alta de preços

 

 

Milhares de cubanos marcharam no calçadão Malecón de Havana e em outras partes da ilha no domingo para protestar contra a escassez de alimentos e os altos preços em meio à crise do coronavírus, em uma das maiores manifestações antigovernamentais de que se tem memória.

Muitos jovens participaram do protesto da tarde na capital, que atrapalhou o trânsito até que a polícia entrou depois de várias horas e interrompeu a marcha quando alguns manifestantes atiraram pedras.

A polícia inicialmente foi atrás enquanto os manifestantes gritavam “Liberdade”, “Basta” e “Unam-se”. Um motociclista puxou uma bandeira dos Estados Unidos, mas foi arrebatada por outros.

“Estamos fartos das filas, das faltas. É por isso que estou aqui ”, disse um manifestante de meia-idade à Associated Press. Ele se recusou a se identificar por medo de ser preso mais tarde.

Cuba atravessa sua pior crise econômica em décadas, junto com o ressurgimento de casos de coronavírus, enquanto sofre as consequências das sanções americanas impostas pelo governo Trump.

Um funcionário do governo Biden tuitou apoio às manifestações de domingo.

“Protestos pacíficos estão crescendo em #Cuba enquanto o povo cubano exerce seu direito de reunião pacífica para expressar preocupação com o aumento de casos / mortes e escassez de medicamentos COVID. Louvamos os numerosos esforços do povo cubano na mobilização de doações para ajudar os vizinhos necessitados”, tuitou Julie Chung, secretária assistente de Estado em exercício para Assuntos do Hemisfério Ocidental.

A manifestação cresceu para alguns milhares nas proximidades da Avenida Galeano e os manifestantes continuaram, apesar  da ação policial e uso de gás lacrimogêneo. Pessoas em pé nas varandas ao longo da artéria central do bairro Centro Habana aplaudiram os manifestantes que passavam. Outros se juntaram à marcha.

Embora muitas pessoas tenham tentado pegar seus celulares e transmitir o protesto ao vivo, as autoridades cubanas fecharam o serviço de internet durante a tarde.

Cerca de 2 horas e meia após o início da marcha, alguns manifestantes levantaram paralelepípedos e os jogaram contra a polícia, quando os policiais começaram a prender as pessoas e os manifestantes se dispersaram.

Os jornalistas da AP contaram pelo menos 20 pessoas que foram levadas em carros da polícia ou por indivíduos em roupas civis.

“As pessoas saíram para se expressar livremente e as estão reprimindo e espancando”, disse o reverendo Jorge Luis Gil, um padre católico romano, enquanto estava em uma esquina no Centro Habana.

Em seguida, cerca de 300 pessoas próximas ao governo chegaram com uma grande bandeira cubana gritando slogans em favor do falecido presidente Fidel Castro e da revolução cubana. Algumas pessoas do grupo agrediram um cinegrafista da AP, desativando sua câmera, enquanto um fotógrafo da AP foi ferido pela polícia.

Manifestações também foram realizadas em outras partes da ilha, incluindo a pequena cidade de San Antonio de los Banos, onde as pessoas protestaram contra a falta de energia e foram visitadas pelo presidente Miguel Díaz-Canel. Ele entrou em algumas casas, onde respondeu a perguntas dos moradores.

Posteriormente, porém, ele acusou agências americanas de criar problemas na ilha.

Como se não existissem surtos de pandemia em todo o mundo, a máfia cubano-americana, pagando muito bem nas redes sociais influenciadores e youtubers, criou toda uma campanha … e convocou manifestações em todo o país”, disse Diaz-Canel a repórteres.

Apesar do esforço do governo cubano em tentar evitar que as pessoas façam registros dos protestos, as imagens das manifestações que se espalharam pelo país ganharam a internet e estão rodando o mundo, gerando protestos de cidadãos cubanos até mesmo no exterior, como os que estão ocorrendo na Argentina.

Embora o presidente cubano esteja convocando a população para sair às ruas “em defesa da revolução”, não parece que isto irá ocorrer. O que se vê é uma população revoltada contra a situação promovida pelo regime ditatorial. Já há relatos de violência policial ocorrendo contra os manifestantes.

 

*Esta notícia pode ser atualizada a qualquer momento

*Fontes: Associated Press, Agência EFE e agências internacionais

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Jonas
Jonas
10 meses atrás

#SOSCuba #CubaLibre
??????#Bolsonaro2022