Nesta série de artigos, sempre publicados às quintas-feiras, analisaremos a obra: Como ser um conservador, do filósofo e escritor inglês Roger Vernon Scruton, que faleceu em 12 de Janeiro de 2020. Acesse o sumário neste link, não se esqueça de colocar o mesmo nos seus favoritos. Lembrando que os títulos e subtítulos podem não ser iguais aos existentes no livro. Sem mais delongas, aproveitem!

 

 

Entenda o Nacionalismo e suas verdades – Parte III

 

Nos países Ocidentais, ainda desfrutamos de liberdades primordiais, que basicamente são as raízes para a ordem política. Podemos discordar livremente e publicamente de outras pessoas sobre questões básicas, como a fé, vida privada, educação, modo de vida. Essa liberdade nos dá a possibilidade de definirmos nossa condição como membros de uma sociedade.

Nos países baseados em ordem religiosa, como por exemplo, vários países islâmicos, a liberdade de expressão e consciência é um ativo escasso e ameaçado.

No fim do século XVII, quando as ideias e a influência do iluminismo se espalharam por todo o mundo cristão, a elaboração e aprovação de leis se tornou vital para nosso relacionamento na sociedade. Além de seculares, essas leis deveriam ser neutras em relação à diversas religiões que “rivalizam” dentro de um país. E a lei secular sempre se prevaleceria em caso de um conflito com a obediência religiosa. A esperança era que esses dois poderes, o sagrado e o secular, estivessem suficientemente separados, para não ter sobreposição de poderes. Se observarmos, em nossa sociedade, a religião se tornou um assunto privado, sem necessidade de interferência pública.

Nossa herança de lei secular é importante e preciosa, é algo que devemos proteger em face as ameaças que pesam contra ela.

Há casos em que a opinião majoritária pode estar errada, o desejo da maioria pode ser malévolo, a força da maioria pode ser perigosa. Há alguém mais importante que a maioria, que é o indivíduo que dela discorda. Devemos protegê-lo, pois ele é o único que pode levantar a questão que nenhuma multidão quer ouvir. Por isso em regimes democráticos, há a oposição e a discordância de opiniões.

Em família, os membros se reúnem para discutir assuntos de interesse em comum e resolução de conflitos, mesmo com todas as divergências, opiniões, conselhos conflitantes e dissensões. Em uma família feliz, todo mundo aceitará ser restringido pela decisão final, mesmo com discordâncias. Ou seja, a família é parte da identidade, é aquilo que não muda mesmo quando as diversas opiniões se modificam e entram em choque.

Essa questão vale para a política. Oposição, discordância, livre manifestação e a solução conciliatória como regra, formando uma identidade comum. As democracias precisam de um “nós” nacional, e não um “nós” religioso e étnico.

Continua…

 

 

Compre: Como ser conservador, clicando abaixo e ajude a Revista Vida Destra.

 

Nunes, para Vida Destra, 18/02/2021
Vamos discutir o Tema. Sigam o perfil do Vida Destra no Twitter @vidadestra

Acompanhe me
Últimos posts por Nunes (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Lívio Luiz Soares de Oliveira
8 meses atrás

Parabéns pelo artigo Nunes!