Nesta série de artigos, sempre publicados às quintas-feiras, analisaremos a obra: Como ser um conservador, do filósofo e escritor inglês Roger Vernon Scruton, que faleceu em 12 de Janeiro de 2020. Acesse o sumário neste link, não se esqueça de colocar o mesmo nos seus favoritos. Lembrando que os títulos e subtítulos podem não ser iguais aos existentes no livro. Sem mais delongas, aproveitem!

 

 

Caridade e Justiça

Há uma enorme diferença entre o dever de caridade e o dever de justiça.

Em um eventual fracasso ao realizarmos um dever de justiça, cometemos uma injustiça, basicamente ofendemos alguém e isso pode acarretar ações e resultados irreparáveis.

Teoricamente, a concepção de justiça é mediada pelos conceitos de direito e mérito, havendo um direcionamento a outras pessoas e levando em consideração os direitos, reivindicações e méritos.

Os deveres da caridade têm por característica não possuírem algum limite, e podem crescer exponencialmente, além de não ser algo direcionado, algo que vai do sentimento verdadeiramente humano.

Caso ampliemos a ajuda caritativa a alguém, ou seja, praticamos a bondade ou a caridade a essa pessoa de forma ampliada, de modo a não ajudarmos a uma outra pessoa que tanto necessita, não estaríamos agindo errado com essa segunda pessoa.

Cumprimos o nosso dever e oferecemos auxílio para aquele que o recebeu.

 

 

Compre: Como ser conservador, clicando abaixo e ajude a Revista Vida Destra.

 

Nunes, para Vida Destra, 17/06/2021
Vamos discutir o Tema. Sigam o perfil do Vida Destra no Twitter @vidadestra

Acompanhe me
Últimos posts por Nunes (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
WELTON REIS DOS SANTOS
1 ano atrás

Caridade, eis uma ação difícil de ser justa já que o beneficiário com passado imoral aproveita o bom coração de outro. O outro também o faz para se redimir dos pecados. Do bom para o bom, do mal para o mal ou vice versa será a dúvida que por natureza é pura! Coisas do ser humano!