Nesta série de artigos, sempre publicados às quintas-feiras, analisaremos a obra: Como ser um conservador, do filósofo e escritor inglês Roger Vernon Scruton, que faleceu em 12 de Janeiro de 2020. Acesse o sumário neste link, não se esqueça de colocar o mesmo nos seus favoritos. Lembrando que os títulos e subtítulos podem não ser iguais aos existentes no livro. Sem mais delongas, aproveitem!

 

 

A Verdade no Liberalismo

 

Mudanças

 

Iniciamos um novo tópico.

A palavra “Liberal” mudou muitas vezes de significado ao longo do tempo. Atualmente designada nos Estados Unidos, para descrever aqueles como “de esquerda” em termos europeus – que são pessoas que acreditam que o Estado deve usar todos os poderes, recursos e influencias para igualar os destinos de todos os cidadãos, e que aceitam um papel maior do Estado na economia e na regulação mais do que qualquer conservador.

Diferentemente de hoje, durante o século XIX, o uso do termo “liberal” era difundido pelos partidos liberais com a mensagem de que a ordem política existe para garantir a liberdade individual, e que a autoridade e a coerção só podem ser justificadas caso exigidas pela liberdade.

No Alcorão e na Bíblia hebraica temos a seguinte ordem social apresentada: uma ordem em que as leis são baseadas em prescrições e comandos divinos e as funções terrenas são definidas por delegação da divindade. As religiões são definidas pelas comunidades que as adotam e sua função é de união, matrimônio, garantir a reprodução e proteção contra distúrbios e juramento sob a guerra.

A ordem política, ao contrário da ordem religiosa, é aquela comunidade que é governada por leis feitas pelos homens e por decisões meramente humanas. Basicamente, a religião é uma condição estática e a política é um processo dinâmico.

Enquanto a religião exige submissão, o processo político oferece participação, discussões, elaborações de leis. Graças ao liberalismo, essa tradição foi mantida de forma eficiente na sociedade ocidental, diferentemente dos islâmicos que refugiam-se em um regime de ordens inquestionáveis e às vezes até irracionais para nossos padrões modernos.

A contenda entre religião e política remonta tempos antigos, desde os relatos observados  da Bíblia, como também, conflitos antigos, desde a tragédia grega representada pela Antígona de Sófocles ou também pela Oréstia de Ésquilo.

Religião e política são importantes e podem coexistir!

 

 

Compre: Como ser conservador, clicando abaixo e ajude a Revista Vida Destra.

 

Nunes, para Vida Destra, 23/09/2021
Vamos discutir o Tema. Sigam o perfil do Vida Destra no Twitter @vidadestra

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

Acompanhe me
Últimos posts por Nunes (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments