Países da UE condenam a Hungria por causa da aprovação da lei que proíbe promoção da homossexualidade a menores de 18 anos

 

(Reuters) – Alemanha, Holanda, Suécia, França e Irlanda estão entre os países da União Europeia que condenaram a Hungria na terça-feira (22), por uma nova lei supostamente anti-LGBTQ, enquanto o bloco se concentrava novamente nas supostas falhas democráticas em Budapeste e em seu aliado nacionalista, Varsóvia (Polônia).

A nova lei que proíbe a “exibição e promoção da homossexualidade” entre menores de 18 anos viola claramente os valores da União Europeia, disse o ministro de Assuntos Europeus da Alemanha, antes das conversas com os 27 membros da UE sobre as profundas preocupações de que a Hungria e a Polônia estejam violando o Estado de Direito ao pisar nas liberdades de tribunais, acadêmicos e meios de comunicação, bem como ao supostamente restringir os direitos das mulheres, migrantes e minorias.

“A União Europeia não é basicamente um mercado único ou uma união monetária. Somos uma comunidade de valores, esses valores nos unem a todos”, disse Roth a repórteres antes da reunião em Luxemburgo.

“Não deve haver absolutamente nenhuma dúvida de que as minorias, as minorias sexuais também, devem ser tratadas com respeito”.

Bélgica, Holanda e Luxemburgo redigiram uma declaração conjunta condenando as últimas mudanças legais sob o primeiro-ministro Viktor Orban, como uma violação do direito à liberdade de expressão e uma “forma flagrante de discriminação com base na orientação sexual”.

O ministro sueco disse que a lei húngara é “grotesca”, seu colega holandês pediu a Budapeste para desfazê-la, enquanto seu homólogo irlandês disse que o executivo do bloco deveria processá-la no tribunal superior da UE. A Áustria disse que é errado colocar as disposições anti-LGBTQ em um projeto de lei que penaliza a pedofilia.

“Estou muito preocupado … É errado o que aconteceu lá e tem que parar”, disse Thomas Byrne, da Irlanda. “É um momento muito perigoso para a Hungria e também para a UE”.

Enfrentando uma eleição no próximo ano, Orban se tornou cada vez mais radical na política social em uma luta autoproclamada para salvaguardar o que ele diz serem valores cristãos tradicionais do liberalismo ocidental.

Chegando à mesma reunião na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, disse que a lei era destinada apenas a pedófilos.

“A lei protege as crianças de uma forma que torna um direito exclusivo dos pais educar seus filhos quanto à orientação sexual até a idade de 18 anos”, disse ele. “Esta lei não diz nada sobre a orientação sexual de adultos”.

Os outros ministros também falaram de preocupações sobre a liberdade da mídia na Hungria, bem como sobre a reforma em andamento no judiciário da Polônia.

Dizendo que os tribunais poloneses precisam ser reformados, o partido governante Lei e Justiça expulsou muitos juízes críticos do judiciário, introduzindo substituições mais flexíveis.

Mais recentemente, o governo polonês ignorou uma ordem do tribunal da UE para suspender a mineração em sua fábrica de Turow, na fronteira tcheca, enquanto o caso que Praga trouxe contra Varsóvia não for resolvido.

“Precisamos obter garantias da Polônia e da Hungria de que eles realmente seguirão o que o tribunal da UE disser no futuro”, disse Hans Dahlgren, da Suécia.

 

*Esta notícia pode ser atualizada a qualquer momento.

*Fonte: Reuters

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Alvaro
Alvaro
4 meses atrás

Querem se meter nas decisões dos países, cada um tem suas diretrizes e quem não gostar que se eleja e mude as leis.
Eu particularmente acho a lei húngara pertinente e não destrata ninguém apenas segue o que a maioria resolveu.