Na segunda-feira, o Irã acusou o arqui-inimigo Israel de sabotar sua central nuclear de Natanz e prometeu vingança por um ataque que parecia ser o último episódio de uma longa guerra secreta.

O Irã disse que a pessoa que causou uma queda de eletricidade em uma das salas de produção da planta subterrânea de enriquecimento de urânio foi identificada. “Medidas necessárias estão sendo tomadas para prender essa pessoa”, informou a mídia estatal iraniana, sem dar mais detalhes.

O incidente ocorreu em meio a esforços diplomáticos do Irã e dos Estados Unidos para reviver o acordo nuclear de Teerã com as grandes potências de 2015, um acordo que Israel se opôs veementemente, depois que o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o abandonou três anos atrás.

Na semana passada, o Irã e as potências globais mantiveram o que eles descreveram como conversas “construtivas” para salvar o acordo, que se desfez quando o Irã violou seus limites de enriquecimento de urânio sensível desde que Trump voltou a impor sanções severas a Teerã.

As autoridades iranianas descreveram o incidente do dia anterior como um ato de “ terrorismo nuclear ” e disseram que Teerã se reservou o direito de tomar medidas contra os perpetradores. Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, culpou explicitamente Israel.

Vários meios de comunicação israelenses citaram fontes de inteligência não identificadas, dizendo que o serviço de espionagem do país, Mossad, realizou uma operação de sabotagem bem-sucedida no complexo subterrâneo de Natanz, potencialmente atrasando o trabalho de enriquecimento por meses.

Israel – cuja existência o Irã não reconhece – não comentou formalmente o incidente. A Casa Branca disse que os Estados Unidos não estavam envolvidos no ataque e não comentavam as especulações sobre a causa do incidente.

O chefe de energia nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, disse que um sistema de energia de emergência foi ativado em Natanz para compensar a queda. “O enriquecimento de urânio não parou no local.”

Um porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi, disse que a instalação foi atingida por uma explosão. O incidente ocorreu um dia depois de Teerã, que insistiu que deseja apenas energia nuclear pacífica e não bombas nucleares do processo de enriquecimento, lançou novas máquinas centrífugas avançadas em Natanz.

Referindo-se à primeira geração de máquinas de enriquecimento do Irã mais vulneráveis ​​a interrupções, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Saeed Khatibzadeh, disse que: “todas as centrífugas que saíram do circuito em Natanz eram do tipo IR-1”.

Centrífugas modernizadas podem refinar o urânio para uma pureza mais elevada, fissível em um ritmo muito mais rápido, ajudando a acumular um estoque que poderia encurtar a rota do Irã para uma arma nuclear, se o país optasse por desenvolvê-las, do que as centrífugas IR-1 que ainda predomina nas salas de produção de Natanz.

O acordo de 2015 só permite ao Irã enriquecer com até 5.060 máquinas IR-1, em uma planta projetada para abrigar cerca de 50.000, mas começou a enriquecer em Natanz com centenas de centrífugas avançadas, incluindo a IR-2m.

Apesar da forte oposição israelense, a administração do presidente dos EUA, Joe Biden, está comprometida em voltar ao acordo se a República Islâmica retornar ao cumprimento total das restrições à produção de combustível nuclear. O Irã insiste que todas as sanções dos EUA, que prejudicam sua economia baseada no petróleo, devem ser suspensas primeiro, antes que pare de acelerar o enriquecimento e restaure os limites do processo.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse na segunda-feira que o Irã nunca desistiu dos esforços para desenvolver armas nucleares e que Israel nunca permitiria que Teerã o fizesse. Israel vê a campanha de enriquecimento iraniano como uma ameaça existencial.

Ocorreram episódios esporádicos de sabotagem e interrupções em instalações nucleares iranianas ao longo de mais de uma década, pelos quais Teerã culpou Israel, incluindo um incêndio que eclodiu na unidade iraniana de Natanz em julho passado.

Em 2010, o vírus de computador Stuxnet, amplamente considerado como tendo sido desenvolvido pelos Estados Unidos e Israel, foi descoberto depois que foi usado para atacar Natanz, causando quebras prejudiciais de cascatas de centrifugação que refinam o urânio.

O Irã também acusou Israel de responsabilidade pela emboscada em novembro passado, fora de Teerã, que matou Mohsen Fakhrizadeh, considerado pelos serviços de inteligência ocidentais como o mentor de um programa secreto de armas nucleares iranianas. Israel não confirmou nem negou envolvimento em sua morte.

*Esta notícia pode ser atualizada a qualquer momento.

*Com informações da Reuters

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments