Palavras do Príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança sobre os governadores comunistas que pedem arrego

Seguem abaixo as palavras do Deputado Federal  Príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança sobre os governadores comunistas que pedem arrego.

 


 

Alguns governadores protestaram e foram ativos em não participar da posse do Presidente Jair Bolsonaro. Camilo Santana, governador do Ceará, foi um deles. Camilo não foi à cerimônia do dia 01 de janeiro, mas não se furtou de, no dia 04 de janeiro, ligar para o Ministro da Justiça Sérgio Moro pedindo apoio do Governo Federal e envio de tropas da Força Nacional para combater o crime organizado que domina o estado há tempos.

Há inúmeras críticas quanto à forma como os governos estaduais comunistas e socialistas dilapidaram o patrimônio e a solidez de diversos estados. Entretanto, no modelo em que o Brasil funciona atualmente, em que as Unidades Federativas não têm autonomia plena da União (com suas devidas consequências), o Governo Federal não se pode furtar ao papel de socorrer àqueles que necessitam.

A grande questão que permeia as décadas de arraso dos governos é a responsabilidade dos irresponsáveis. Grande parte dos estados que enfrentam crises financeiras ou humanitárias, como o caos na saúde ou segurança, recebem da União mais recursos do que contribuem. São, portanto, umbilicalmente dependentes do Estado, mas não submetidos a ele.

Esses governos ineficientes recebem o dinheiro contribuído por brasileiros de todos os estados, não só dos governados por eles, e gastam de forma ineficaz, criando caos financeiro, como no Rio Grande do Sul, de segurança, como no Ceará, ou generalizado, como no Rio de Janeiro. O que acontece nesses casos? Eles recorrem ao socorro da União na forma de recursos e perdão de dívidas, ou de envio de pessoal e equipamento.

Governos estaduais devem ser autônomos para agir, mas responsáveis por seus atos. A administração que conduz um estado a uma situação de calamidade pública deve ser punida, e não perdoada e remediada. O Estado é o responsável supremo por seus habitantes, e quando chamado a intervir para resolver um calamidade pública, para que a população não continue a ser penalizada, ele deve ser autorizado a cassar o mandato do político irresponsável e a dissolver a administração.

Então quando o Governo Federal finalizar os ajustes necessários, devolvendo à população um governo que opere em estado de normalidade, e somente então, é que a unidade federativa poderá retomar sua autonomia e convocar novas eleições.

Da forma em que esta, governadores e prefeitos são livres para agir de forma irresponsável e populista, levando em consideração em suas ações apenas ganhos eleitorais, e não sociais.

Governos que sofrem intervenção federal devem permanecer governos?

Não seria o caso de ter uma punição sempre que houver uma intervenção federal?

Não está na hora de descentralizar a administração e dar independência (com consequências) aos nossos políticos?

Somente quando a consequência de seus atos for, na medida do possível, tão dura quando aquela sentida por seus governados, é que os políticos passarão a agir com maior prudencia e respeito à coisa pública.

Fonte [https://www.facebook.com/luizphilippebr/posts/1204979992995650]
Siga-me

Nunes

Fundador do Portal Vidadestra.org
-Mercados, Forex, Investimentos e Crescimento Pessoal
Siga-me
Saiba das novidades, siga-nos
error

Related posts

One Thought to “Palavras do Príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança sobre os governadores comunistas que pedem arrego”

  1. Nunes

    Obrigado a todos os visitantes

Leave a Comment