Desde o último domingo, 12, a ilha de Cuba está vivendo em ebulição. A população saiu às  ruas de Havana e de várias outras cidades, para protestar não só contra o governo de Miguel Díaz-Canel, mas também contra a opressão deixada como herança pela ditadura cubana, que se arrasta desde a Revolução iniciada por Fidel Castro em 1953.

Que a ilha parou no tempo, não é novidade nenhuma. Aliás, existem “duas Havanas”: a dos turistas e a de quem mora lá. Para quem visita o lugar de férias, não vê (ou finge que não viu) o quão grande é a miséria da população. As notícias que chegam de lá são de que, além de estarem passando fome, também sofrem com a falta de atendimento médico, mesmo de forma básica. A ‘internet’ e a energia elétrica também foram cortadas.

Cansados de tamanho desleixo por parte das autoridades, que abandonaram a população à própria sorte, os cubanos decidiram sair às ruas para lutar pela liberdade e também pelo fim da tirania. O governo, por sua vez, reprime de forma violenta o clamor popular, invadindo casas, forçando jovens a se juntar à polícia e prendendo opositores ao regime.

A esquerda brasileira, obviamente, faz vista grossa a tudo o que está acontecendo. Trata o assunto como se fosse culpa do chamado “embargo americano” e diz que as pessoas estavam apenas fazendo uma passeata, ignorando solenemente todo o sofrimento que esse povo carrega há décadas. E o pior, elogiando um regime assumidamente ditatorial. Não à toa, por anos o Brasil bancou obras em Cuba, além de sustentar o regime do falecido Fidel Castro através dos médicos cubanos trazidos para cá durante os governos petistas.

Toda essa celeuma em torno da velha Cuba só mostrou o quanto a esquerda consegue ser repugnante na hora de defender seus próprios interesses. O que importa, para eles, é o chamado “status quo”, e não a luta pela vida – e pela liberdade – de uma população que está, há muito tempo, sob a égide de um regime comunista – e sanguinário.

Povos livres, lembrai-vos desta máxima: a liberdade pode ser conquistada, mas nunca recuperada” (Jean-Jacques Rousseau)

 

 

Lucia Maroni, para Vida Destra, 16/07/2021.                                                              Sigam-me no Twitter, vamos debater o tema! @rosadenovembroo

 

Crédito da Imagem: Luiz Jacoby @LuizJacoby

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

 

As informações e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade de seu(s) respectivo(s) autor(es), e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao [email protected]
Acompanhe me
Últimos posts por Lúcia Maroni (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Alvaro
Alvaro
7 dias atrás

Impecável o texto, sem retoques a fazer.
A meu ver o comunismo deveria ser tratado da mesma forma que o nazismo porém ignoram as atrocidades do comunismo e exaltam as quantidades inexistente desse regime criminoso.