A Tragédia Brasileira – Parte I: professores

De todos os absurdos que compõem a humilhante rotina de ser brasileiro, talvez não haja um mais ultrajante do que aquele que insistimos em dar o nome de educação. Refiro-me aqui mais diretamente à educação escolar, da qual participo como professor, mas não há como afastar a convicção de que se trata de problema cujos limites, se é que existem, estão muito além dos muros da escola. Família, governo, universidades e professores acusam-se mutuamente enquanto cada um dá sua própria contribuição para a grande merda coletiva nacional. Nas aulas de…

Ler mais