Após o discurso do Presidente na ONU, a Rede Globo voltou a atacá-lo, chamando-o indiretamente de radical de direita. Alguém já disse que, se a Rede Globo se mantém insistentemente contra algo ou alguém, é porque isso, geralmente, deve ser bom, eticamente recomendável e moralmente honesto, como bem disse Jair Bolsonaro em seu Twitter. Portanto, temos a obrigação moral de nos posicionar do lado oposto. Grosso modo, isso vale para o resto da mídia tupiniquim.

Uma destas coisas que são paulatinamente atacadas pelas reportagens das emissoras ideologicamente comprometidas é sua preocupação com o que se estigmatizou chamar de “extrema direita”. Dizem que a Europa está sendo tomada por uma onda de “extrema direita”, e que a direita conservadora está aproveitando-se da crise na Europa.

Em uma recente reportagem levada ao ar dia 21/01/17, salvo engano, no Jornal Hoje, sobre a homenagem que Berlim está fazendo às vítimas do nazismo, chegou a comparar as reivindicações da população afeita às propostas de direita ao Nazismo, mesmo sabendo que, contraditoriamente, o partido de Hitler levava o nome de Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Curioso, não?!

Uma das melhores táticas de guerra de contrapropaganda é criar estereótipos e criar um espaço entre “nós” e “eles”. Karl Marx difundiu bem esse maniqueísmo em seus escritos.
Mas cabe aqui uma pergunta: qual a diferença entre “direita” e “extrema direita”? Não se sabe, é algo muito abstrato. Seja como for, a palavra “direita”, dentro do contexto político, é deslocada de seu significado usual para virar sinônimo de algo ruim, antidemocrático ou coisa parecida. Ser de direita é praticamente ser o mesmo que fascista, homofóbico, racista, preconceituoso e reacionário. Duvida? Pois bem, o site de esquerda “Carta Capital”, trouxe uma matéria cujo título era “O mundo vira à direita”, numa reação óbvia ao livro do filósofo Luiz Felipe Pondé (“Por que virei à direita”), com o subtítulo “O que explica o avanço do populismo reacionário da xenofobia e do ódio contra as minorias”. Perceberam a conversão indevida e tendenciosa?

É curioso observar as diuturnas reportagens da RG sobre Donald Trump e não perceber o sorriso de sarcasmo no canto da boca dos repórteres do “plim plim”…

Para ela, a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) é devida ao radicalismo politico de direita e não à decisão soberana do povo inglês, que não suporta mais ter seus territórios transformados no quintal de outros europeus, com o aval de uma entidade internacional alheia à cultura e às particularidades dos ingleses.

Se a Globo está à esquerda, fiquemos à direita!

 

Paulo Cristiano da Silva, para Vida Destra, 28/09/2020
Vamos discutir o Tema. Sigam-me no Twitter  @pacrisoficial , no Parler @Pacris e no Conservative Core @pacris

Paulo Cristiano da Silva
Acompanhe me
Últimos posts por Paulo Cristiano da Silva (exibir todos)
Amigos e leitores, pessoas físicas/jurídicas! Colaborem com a Revista @vidadestra sem tirar dinheiro do seu bolso. Baixe o app LunesPay e ganhe 25 pontos de vantagens. Seremos remunerados por cada download a partir do nosso link. Contamos com a direita! https://bit.ly/BaixeLunesPay-0
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Sander Souza
Sander Souza
26 dias atrás

Parabéns pelo ótimo artigo!

Nunes
Admin
26 dias atrás

parabéns pelo artigo!

Luiz Antonio
26 dias atrás

No esclarecedor art. de @pacrisoficial s/a Rede Globo e sua preocupação c/a extrema direita deve-se,principalmente,se Bolsonaro renovará a concessão. Agora,os dólares entregues por Dário Mester, a dívida tributária c/Pref. Rio e o monopólio do futebol no inquérito do CADE, isto não dá audiência.

Moises
Moises
26 dias atrás

Muito bom!!!!