Convido você a “abrir uma Caixa-Preta” e descobrir a origem das loucuras e contradições da política mundo afora.

Quando um avião cai, logo ouvimos a antiga expressão “a caixa-preta vai revelar a verdade” – embora ela não seja literalmente aberta na investigação e nem é preta.

Na primeira parte deste artigo, cito como Maia e Alcolumbre tramam para se reelegerem e, ao mesmo tempo, impedirem a reeleição de Bolsonaro.

Parece que CONTRADIÇÃO responde esta pergunta, mas isto é apenas a ponta do iceberg.

Da década de 1960 – onde a esquerda fomentou e endeusou a OPINIÃO das pessoas – chegamos à Lei da Mordaça (PL2630) em que querem PROIBIR as opiniões. 

Feita a Reengenharia Social o “avião” chegou ao desastre. 

Agora é hora de “abrir a caixa-preta da Política” – aquela comunicação sigilosa entre os envolvidos, com termos que só eles entendem e que somente são reveladas nos círculos mais íntimos e secretos do poder.

Ao “abrirmos”, encontramos um princípio: a Realpolitik.

Realpolitik significa, hoje em dia, a política “na prática” ou, no mundo esquerdista, a “política de RESULTADO”. Guarde esta importante definição.

A leitura do artigo, do amigo Guillermo Piacesi, “Purismo x Pragmatismo” deixou ainda mais clara a linha adotada pela esquerda: a prática do lema – “os fins justificam os meios”. A esquerda não se apega a nada. Sempre mudam de lado conforme a necessidade.

O efeito sobre nós, de fora, é que ficamos atordoados e fazemos sempre as mesmas perguntas: “Não percebem a incoerência? A contradição? Será loucura ou desonestidade?”

A resposta não está nas teorias de Marx. Lenin bem sabia disso, já que fundamentou suas ESTRATÉGIAS revolucionárias a partir das Cartas entre Marx e Engels.

No entanto, Marx deixou uma pista fora de sua obra, que explicarei detalhadamente em livro. Por hora, basta saber que era a aplicação, de modo extremo e despropositado, da Realpolitik. Inicialmente Marx foi influenciado pelo conceito e depois foi o maior influenciador da Realpolitik.

O livro de John Bew “Realpolitik: a history” é a prova – mostra no paralelo da vida e obra de Marx e de August von Rochau várias citações mútuas, mesmo sem lhes dar crédito, que provam esta influência. A partir daí, Marx rompeu com todos os valores morais e éticos.

A tomada violenta do poder era uma ideia muito cara à Marx e Engels. Tais ideias assassinas e genocidas foram expostas na Nova Gazeta Renana e no Manifesto Comunista.

Definiram que o não-socialista deveria ser “suprimido”, um eufemismo para a expressão assassinado (usada nas traduções mais comuns). Apoiaram o extermínio não só de indivíduos, mas de povos inteiros – o genocídio, palavra tão gasta pelos esquerdistas de hoje. A partir daí, os radicais passaram à política de RESULTADOS, esticando a corda da Realpolitik, desumanizando os adversários.

Se o ato de matar se tornou tão natural aos marxistas, o que dirá mentir, ludibriar, enganar e, hoje, até roubar? Para ter uma ideia veja a confissão de Paulo Briguet, neste link.

No entanto, o marxismo gerou um efeito colateral. Apesar de atacar a Religião, Marx acabou criando uma cultura de endeusamento do Partido e do Líder: uma religião apóstata.

Foi revestido da aura de líder que Lenin autorizou os militantes a fazerem qualquer coisa pelo poder: da participação política ao ativismo judicial, da pacífica ocupação de espaços aos atos de vandalismo revolucionário e até terrorista.

Aqui está o ponto-chave: tudo é entendido pelos militantes como ESTRATÉGIA, nunca como contradição ou incoerência. Eles são doutrinados a pensar assim! Quando questionados, eles riem e olham uns aos outros com uma piscadinha. Eles assumiram uma premissa falsa. 

Acreditam que O PODER POLÍTICO LHES PERMITE FAZER TUDO. Neste sentido, para eles, QUALQUER AÇÃO É VALIDA. 

Entendeu porquê a esquerda vive à porta do Supremo? Ou como é absurda uma Constituição que dá poderes para alguém, com milhares de votos (Presidente das Casas Legislativas), anular a vontade de milhões de votos dados ao Presidente?

E a frase de Zé Dirceu: “vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar a eleição”?

Por isso a esquerda muda de lado, ao sabor das suas necessidades. Usam da Realpolitik – a caixa-preta que só eles sabem o conteúdo. O povo acaba olhando a política como um jogo de truco, sem conhecer suas regras e sem entender os movimentos.

Infelizmente, foi a realpolitik de Marx que gerou a maior máquina de matar, AINDA EXISTENTE sobre a face da Terra: o comunismo*.

E isto precisa mudar.

Não podemos permitir que políticos se tornem deuses. Nem os juízes. Ninguém, em nenhum cargo da República, pode ter este poder.

A política não é deus! O Partido não é deus! Muito menos seus “líderes”. Nenhum deles está acima da moral, da ética ou do povo. 

É urgente erradicar esta ideia! Eleição não é um cheque em branco! 

Precisamos defender o primeiro Presidente conservador que elegemos após a volta da Democracia e fazer tudo para consolidar a base conservadora no poder.

Precisamos nos formar, ler, estudar e não apenas fazer tweets. Os conservadores precisam sair de casa, bem formados, e se candidatar aos cargos públicos e políticos.

Os próximos seis anos serão fundamentais para formarmos uma nova geração de políticos conservadores, que defendam valores fundamentais e acabem, definitivamente, com este culto do poder absoluto.

É necessário preparar o terreno, para daqui a alguns anos, quando tivermos um Congresso bem mais limpo e conservador, pensarmos em uma Nova Constituição.


____
*Sobre os Crimes Comunistas, farei uma série de artigos para reflexão acerca do PL4425/20, que trata da criminalização da apologia ao nazismo e comunismo, do Dep. Eduardo Bolsonaro.

 

Angelo Lorenzo, para Vida Destra, 12/10/2020.
Vamos discutir o Tema. Sigam-me no Twitter @PlenaeVitae e no Parler @Plenaevitae

Angelo Lorenzo
Acompanhe me
Últimos posts por Angelo Lorenzo (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Adilson Veiga
1 ano atrás

Parabéns meu amigo!
Que importantes informações nos trouxe, nestes dois artigos!

Luiz Antonio
1 ano atrás

No conclusivo art. de @plenavitae sob a caixa preta da Política – Realpolitik, assombra-me qdo caminhamos p/o pragmatismo citado por Guilhermo,diante do que Weintraub disse em live sob o mecanismo.Será que c/reeleição de Bolsonaro teremos algo a governar? Ou tudo estará tomado p/esquerda?

Wilkin
1 ano atrás

EXCELENTE!

Fernando
Fernando
1 ano atrás

Interessante artigo, cria uma expectativa em relação ao livro mas, por que usar o termo “primeiro presidente conservador que elegemos após a volta da Democracia”? Não estamos em uma democracia, nossas escolhas são condicionadas ao que é mais conveniente ao sistema. A eleição de Bolsonaro a presidência foi um lapso, em “engasgo” do sistema, que se mantém desde, e aí eu concordo plenamente com a sua posição, a Constituição de 1988. Desde a sua elaboração em 88 até seus efeitos nefastos nós dias de hoje, mereceria uma enciclopédia inteira.

Fabio Sahm Paggiaro
1 ano atrás

Parabéns Angelo. Passou da hora de conservadores, que são a maioria do povo brasileiro, se levantarem e impedirem que comunistas continuem definindo os destinos da Nação por meio do atropelamento da Constituição e das leis.

Carlos Eduardo Leão
1 ano atrás

Excelente análise. Profunda e rica em conteúdo informativo. Parabéns, caro Ângelo,

Sander Souza
Sander Souza
1 ano atrás

Parabéns pelo excelente artigo!
Precisamos estudar e conhecer o inimigo!
Não venceremos enquanto não detivermos conhecimento suficiente!

Nunes
Admin
1 ano atrás

Parte 1 e 2…excelentes.
Muitas horas de pesquisas e conhecimento agregado.
Parabéns

Fabienne
Fabienne
1 ano atrás

Muito bom, Angelo! Escrevendo cada vez melhor!!
Esclarecedor.