Os problemas da Venezuela têm muitos níveis, mas todos são produzidos e impulsionados por medidas e políticas socialistas aplicadas nos últimos 20 anos por marxistas que ocupam uma tirania, criminosos perpetrando um sistema criminoso, que conspiram contra a República da Venezuela.

Neste artigo, prestaremos atenção à situação cotidiana da atual crise pela qual este país está passando e que muitos por aí não sabem que existe, ou pensam que é um exagero, ou uma mentira.

O país está em colapso geral em todos os níveis e, particularmente em termos econômicos, esse colapso não se deve ao que os “surdopatas” (socialista, marxista etc.) afirmam, quando se referem ao “bloqueio contra a Venezuela”, que não é contra os cidadãos e a República da Venezuela, mas contra os traficantes de drogas marxistas criminosos que exercem o poder livremente, sem respeitar nenhuma lei ou moral, perpetrando assim uma tirania sangrenta.

Como não há atividade econômica, as ruas ficam desertas. Há acúmulo de lixo para todos os lados.

O problema econômico deve-se principalmente ao fato de que qualquer possibilidade e/ou incentivo para gerar riqueza, emprego, bens e serviços foi reduzido, não atende mais à demanda que as pessoas representam, para ter uma economia saudável, com pessoas com poder de compra, como sempre acontece nos países em que esse sistema abjeto (socialismo) é aplicado.

Uma coisa que enfatizo e recomendo, por exemplo, é que a América Latina preste atenção ao que acontece e acontecerá no México a esse respeito, com o marxista López Obrador, bajulador de Castro. As pessoas que ainda defendem esse sistema nefasto acabarão aprendendo, de uma vez por todas, que todos os sistemas que surgem do marxismo nada mais são do que uma agenda vil de escravidão, fome, doutrinação e miséria, que mergulha na mais abjeta e absoluta obscuridade nações inteiras. As pessoas, o povo, se extinguem, enquanto aqueles que ocupam posições de posições e perpetuam toda essa agenda estão no topo como monarcas. Qualquer um no mundo já pode ver o que acontece aqui: a falta de remédios dos “programas sociais” do “governo” venezuelano (tirania marxista venezuelana), a falta de comida, a falta de transporte, etc., sobre as quais eu vou falar. Peço ao mundo que escute isso.

Na Venezuela, os proprietários e indústrias de terras tinham (e têm!) suas terras e fábricas “expropriadas” em nome da “revolução”, exceto algumas, como “Empresas Polar”, que ainda assim foram afetadas por essas medidas econômicas. Estão à beira da bancarrota e, no entanto, é o grupo que produz mais alimentos no país. Foram ameaçadas de “expropriação” repetidamente. Na Venezuela, proprietários de terras e empresários foram roubados! Um exemplo é o que foi feito com a empresa “Kellog’s Corn Flakes”, entre o ano passado e este: foi “nacionalizada” pela tirania venezuelana, sem nenhuma compensação ou outra medida alternativa para essa empresa, que simplesmente se retirou do país abanando as mãos. O mesmo acontecera em Cuba, com inúmeras propriedades privadas, para que a tirania “revolucionária” pudesse permanecer no poder, estendendo seu domínio sobre a cidadania da ilha. Todas essas terras e indústrias que a tirania roubou sob o pretexto de que as levariam a “produzir alimentos acessíveis ao povo”, uma vez que “os proprietários exploravam os trabalhadores”, hoje eles não produzem absolutamente nada, essas terras são abandonadas, eles não produzem alimentos, em casos como os da Kellog’s “nacionalizada”, há uma produção pífia com qualidade extremamente baixa e isso pode ser visto nas ruas do país, nos mercados e no alto custo dos alimentos, refletindo a baixa oferta bens e serviços de que precisamos e que, devido ao princípio que rege a economia mundial, ou seja, o princípio de oferta e demanda, o poder de compra da Venezuela foi afetado negativamente pela oferta muito limitada que existe em comparação à demanda que representa a população (somos uma população de aproximadamente 30.000.000 de venezuelanos, da qual cerca de 4.000.000 já fugiram do socialismo).

Há um caso muito particular de um proprietário de terras chamado Franklin Brito, que foi injustamente despojado de sua terra e morreu em uma greve de fome em 30 de agosto de 2010, exigindo a devolução de sua terra, sua propriedade. A tirania não prestou atenção nele, deixou-o morrer e suas terras, como mencionei antes, não produzem absolutamente mais nada.

Os postos de abastecimento estatais passam a maior parte do tempo fechados.

Aqui na República da Venezuela, que é um país tropical, com um clima de primavera eterna e terras muito férteis, é extraído o melhor cacau do planeta (usado na Suíça para fazer chocolate). As terras agrícolas são propícias ao plantio e colheita de alimentos durante todo o ano. Então, por que há escassez de alimentos? Certamente não porque “o império americano está nos bloqueando”! É uma mentira grosseira, senhoras e senhores: como o Brasil, a Venezuela é um dos poucos países do mundo que abriga uma quantidade tão grande de recursos que, mesmo cercando suas fronteiras com muros como a Grande Muralha da China, se isola do mundo, poderia avançar, sim, com estudo, trabalho duro e capital! Além disso, não temos o último!

Atualmente, os alimentos que podem ser obtidos são produzidos por pequenos produtores que, no entanto, não podem fazê-lo de maneira industrializada em larga escala, com as melhores e mais adequadas condições, porque não há lugar para eles, porque o estado intervém, levando muito do que foi produzido para continuar roubando e alimentando o bando de preguiçosos que ainda acreditam neles, ou para manter seus “programas sociais” e, portanto, nenhuma riqueza é gerada: isso é um ataque à nação! Além disso, não há segurança nacional ou legal para qualquer empresário arriscar esse investimento produzido nessas escalas. A propósito, não há “empresários” aqui, basta investir a tirania com lavagem de dinheiro.

Outra parte interessante aqui na Venezuela é dinheiro, moeda, contas bancárias, etc.: isso também faz parte do problema econômico que afeta o país.

É surpreendente quantas cédulas você possa ter em mãos, contas cujo valor esteja abaixo do custo de produção, ou seja, não exceda a quantidade de dinheiro necessária para imprimir apenas uma delas: os resíduos vêm da Casa da Moeda. Sim, essa é a seriedade da situação.

Esta é uma padaria, que também fica fechada a maior parte do tempo. Quando abre, imediatamente forma-se filas para comprar pão. Que é de baixa qualidade, e nunca suficiente para todos. Quando acaba, fecha novamente.

O atual padrão monetário é o do “Soberano Bolívar”, que entrou em vigor em 20 de agosto de 2018. Antes de termos o chamado “Forte Bolívar”, que entrou em vigor em 1º de janeiro de 2008 e antes do “Forte Bolívar”, a moeda tinha o nome, puro e simples, “Bolívar”, estipulado em 31 de março de 1879. Ou seja, havia uma moeda estável que durou mais de 100 anos. Foi suficiente que o socialismo entrasse aqui, para a moeda simplesmente entrar em colapso. Cito isso para continuar explicando em detalhes o quanto destrói a tirania marxista venezuelana: está destruindo os bolsos da população. Primeiro, darei um exemplo com o sistema internacional de unidades, com o qual todos lidamos: todos sabemos que 1Km = 1000m (metros) Neste exemplo, a unidade é “m” (metros) e esse sistema internacional de unidades Pode ser aplicado por qualquer quantia, mesmo por dinheiro, é muito possível que eles tenham visto nas redes sociais definir o número de seguidores de uma pessoa, sendo 50K em vez de 50.000 e assim … Seguindo a linha deste exemplo com “bolívares” bs, 1Kbs (um kilobolivar) = 1000b (bolívares). Quando o “Bolívar Forte” entrou em vigor, o que foi feito na moeda anterior (o Bolívar, “Bs”) foi passar a vírgula três espaços à esquerda, ou seja, cortar 3 zeros da moeda anterior e fazer um novo padrão monetário na época: era óbvio que a moeda já havia perdido muito valor (a desvalorização da nova moeda, resultante da redução da produção do país, é evidente para todos). Então, em 20 de agosto de 2018, o “Soberano Bolívar” entrou em vigor e depois cortaram mais zeros: 100.000Bsf (cem mil Bolívares Fortes) se tornaram 1,00BsS (Soberano Bolívar). Nesta segunda troca monetária, eles cortaram 5 zeros!

Se somarmos as duas alterações, houve um corte de 8 zeros na moeda! Esse é o verdadeiro desastre econômico que a tirania deseja ocultar simplesmente movendo a vírgula para a esquerda na moeda (1BsS = 100.000.000Bs).

Com comércio e demais atividades inoperantes, as pessoas perambulam pelas ruas, sem ter o que fazer, nem como ganhar seu sustento.

Aqui a miséria é generalizada, evidente, notável. Não há dinheiro suficiente para nós, você não pode comprar nada com ele, todos os dias perde valor, mais e mais, com a maneira como a tirania no banco central venezuelano imprime cédulas. O último faz isso para pagar gastos públicos altos demais e para serem sustentados pela quantidade de bolívares que entra nos cofres do estado do país, como é típico do socialismo, gastando mais do que arrecadam, para nos tornar infelizes. Tiranos criminosos.

Existe controle cambial (câmbio “fixo”), o estado domina moedas estrangeiras e as entrega a quem quer que seja (ou não, o que seja), como sempre acontece nas tiranias socialistas, nas quais o estado controla tudo sob a afirmação falsa de que “eles representam o povo”. O que eles fazem e fazem, de fato, é que se tornaram exatamente o que dizem “brigar” ou “odiar”: eles são os proprietários, professores, possuidores de absolutamente tudo, até a consciência individual das pessoas que ainda acreditam nela, “status quo” de “PSUV x Oposição”.

Existe ainda o “mercado de moedas negras”. Todo mundo opera aqui, é a sua vez, mas o engraçado é que o preço do “dólar negro” é basicamente o mesmo preço do “dólar oficial”, que a tirania “vende” com todo o seu sistema de controle, com o qual fornece moedas estrangeiras no país. É como perguntar, pelo menos pensar, que quem vende o “dólar negro” é ou não do Governo? Para que eles também possam obter renda em Bolívares para si e para seus capangas, mas não necessariamente para que possam pagar os gastos públicos, isso não é do interesse deles e, no entanto, seria um assalto e também não alcançaria o dinheiro necessário…

O dólar nesse mercado custa cerca de 26.000 BsS (na nova moeda). Se trocarmos com a moeda antiga e original, isso equivale a 2.600.000.000.000 de bolívares (dois trilhões e seiscentos bilhares)! Esse o preço real de um dólar na Venezuela, um país que tem tudo para produzir e crescer, que já foi um país rico e, hoje, graças à agenda marxista, a produção não existe mais. Tudo aqui é importado e, é claro, sem sua produção aqui, nenhum trabalho é gerado, nem poder de compra, nem economia. Como resultado, estamos vivendo em uma economia em colapso, cheia de pessoas doentes e morrendo pela falta de tudo.

O salário mínimo é de 65.000 BsS (bolívares soberanos) e em uma economia totalmente dependente do dólar, porque tudo é importado aqui na Venezuela, que hoje não possui mercado doméstico, não produz nada, o poder de compra é miserável e não há consumo. Isso quer dizer, é claro, que nossa economia não pode competir com nenhuma outra do exterior.

Não há serviço de limpeza pública. O lixo e o entulho se acumulam por todos os cantos.

Quando fazemos o câmbio, vemos que o salário mínimo é de aproximadamente US $ 2,50 (dois dólares e cinquenta centavos – mas amanhã será menor).

Então, as pessoas na Venezuela vivem do mercado de trabalho informal, ou de alguma outra coisa com a qual obter dinheiro estrangeiro, o que deve ser feito discretamente, porque se alguma autoridade o vê com dólares, a coisa mais segura é tirá-los. , uma vez que na Venezuela a polícia e o exército são formados por pessoas que apóiam a tragédia que estamos vivendo, não têm moral ou princípios, são cúmplices, criminosos, roubam e sustentam a situação dos criminosos, por exemplo.

Algo que foi notavelmente experimentado no final da “vida útil” do padrão monetário “Bolivar Fuerte” foi que a escassez de dinheiro em bolívares era demasiada e o Estado perdeu a capacidade de imprimir notas por não ter mais material para isso. Todo mundo conta os dias até o momento em que o banco central não terá a matéria-prima para emitir as cédulas (como aconteceu, repita-se). As pessoas nas fronteiras usam muito dinheiro vivo, evitando transações bancárias porque estão sujeitas a um limite diário para transferências digitais. Excedido esse limite, o estado intervém na sua conta! Com uma moeda tão desvalorizada quanto a nossa e literalmente desvalorizando todos os dias, as pessoas preferem fazer transações em dinheiro para evitar problemas. Isso cria uma escassez de dinheiro físico no interior do país, uma vez que até os bancos ficaram sem dinheiro anteriormente por causa do mencionado. Portanto, para obtê-lo, há um “câmbio negro” da moeda nacional. Existem pessoas que vendem bolívares em dinheiro a 200% em transferências bancárias, ou seja: se você deseja receber 1000BsS em bilhetes, deve pagar ao vendedor uma transferência digital de 3000BsS para obter 1000BsS em dinheiro. E esse é apenas um pequeno exemplo, porque 3000 BsS não é absolutamente nada e você não compra nem um pouco de nada.

Com tudo isso, imagine vender um apontador de lápis que custa 1000BsS e uma pessoa quer pagar com cédulas de 2BsS: são 500 notas de 2 BsS! Isso gera um grande volume de papel. Portanto, como as pessoas param de aceitar notas pequenas, de 2, 5, 10, 20 ou 50 BsS, não são aceitos pelo volume que geram. Como essas cédulas são rejeitados pelas pessoas, é comum que sejam jogadas fora ou picados como papéis de festa na rua. O dinheiro vale dependendo do trabalho que os apoia, não das falácias que os “surdopatas” dizem. Você pode ver em todos os lugares “dinheiro” no chão. Isso não é, ou não deveria ser, um brinquedo ou lixo, embora, na realidade, o dinheiro marxista sempre seja lixo.

Não há mais serviço de saneamento público, e como resultado, esgoto corre a céu aberto, ao longo das ruas e avenidas.

Outro problema muito sério aqui na Venezuela é o transporte. Dentro do país, o transporte é basicamente inexistente: não há ônibus, principalmente, e caminhões acabam cumprindo essa função, por iniciativa do próprio povo, que se aproveita da situação. Isso é arriscado, não há condições seguras nesses transportes e nessas práticas se perderam vidas.

Sem mencionar que mesmo esse transporte é ineficiente, intermitente e escasso. Há muita preguiça a esse respeito, as passagens são muito caras, afogam pessoas e com isso muitos deixaram de ir e vir de suas respectivas cidades para a capital Caracas, para trabalhar. Outros optam por ficar em Caracas com familiares ou alugar um quarto durante a semana para sobreviver com a economia informal mencionada acima (porque, se depender do salário mínimo, eles simplesmente morrem de fome). É uma realidade cotidiana grosseira, árdua e simples. Às sextas-feiras, o transporte é ainda mais escasso do que o habitual, as pessoas voltam para suas casas e aquele existente simplesmente desmorona, seja ônibus ou caminhão. Eu mesmo, uma oportunidade quando eu estava em um ônibus em Caracas, na Avenida Bolívar, o ônibus parou (quebrou), foi um acidente, todos tiveram que descer e andar, não importa a que distância estivessem, o ônibus teve que devolver o dinheiro da passagem.

Outra parte do transporte, aqui na capital, é o metrô de Caracas: diariamente o sistema elétrico falha, deixando-o sem operação e com os passageiros trancados nos trens. Isso causa evacuações sucessivas de pessoas através dos túneis e as ruas ficam congestionadas, o que também é perigoso, além de ser degradante viver entre tanta negligência e abandono. Os trens estão totalmente deteriorados. Nas estações Orooatria e Las Adjuntas, você pode ver a imensa quantidade de trens fora de operação, cemitérios de lixo, as escadas rolantes não funcionam, é raro se as houver, os vagões e as pessoas cheiram mal, existem vendedores ambulantes em todos os lugares, mesmo em trens lotados, assaltos sempre são relatados. A polícia, em vez de levá-las em consideração, cobra vacinas daqueles que cometem esses atos! De vendedores ambulantes, agressões e assaltos se tornam públicos. O serviço de metrô é totalmente nacionalizado, eles raramente cobram o serviço e o financiamento do estado é miserável (se houver), as catracas para entrar e sair da maioria das estações não funcionam e, nesses raros momentos, cobram os bilhetes que vendem, que sempre acabam e então param de cobrar o serviço imediatamente, ou são quebrados pelos funcionários colocados nas catracas para recebê-los, coisas sem lógica alguma … Há vazamentos de água na estrutura do metrô, ambiente é ruinoso (como em todo o país). Nos trens, o piso do trem é preto e sujo, a limpeza é esporádica, sem ar-condicionado, vagões que não faltam são contabilizados. Há casos de morte de idosos em vagões lotados, bem como de jovens que sofrem ataques de asfixia, desmaios. As mulheres grávidas roubam ou simulam “furtos” fictícios, alegando que foram roubadas para enganar as pessoas e então roubar suas vítimas.

Também não há manutenção das ruas e avenidas, que estão se esfacelando, desmoronando.

O problema da luz não está apenas na capital, o problema de energia está presente em todo o país, assim como no abastecimento de água. Ninguém sabe quando esses serviços param e se eles param, quando serão reiniciados novamente. Em várias áreas do país, eles relatam que o serviço público de água apenas leva água suja e barrenta para as pias. Valência, no estado de Carabobo, é uma dessas áreas, mas a tirania o nega, simplesmente.

Grande parte da população optou por obter alimentos e procurar satisfazer suas próprias necessidades devido aos altos custos e à escassez, de formas rudimentares, por tudo o que o mercado não pode suprir graças às medidas econômicas da tirania marxista, que afirma apoiar essas necessidades.

Quando a eletricidade está ausente por longos períodos, as pessoas precisam cozinhar com lenha, se não tiverem gás, porque esse serviço também é escasso. Pessoas com fogões elétricos são as mais afetadas por isso: tivemos apagões de 4 ou 3 dias nos últimos meses. Eles ocorrem simultaneamente e em todo o país.

Já há cerca de 8 meses, a luz é intermitente em todo o país. Todos os dias, o sistema elétrico falha repetidamente, flutua incontrolavelmente: há uma perda excessiva de eletrodomésticos, bem como casos de pessoas mortas em hospitais ocorrem porque estavam conectados a uma máquina que os mantinha vivos, como recém-nascidos prematuros, idosos, doentes etc. Além de todos aqueles que já morreram de fome e falta de medicamentos, todas essas coisas são consequências de uma coisa: SOCIALISMO!

Felizmente, no Brasil, Lula está preso, onde pessoas como ele (e todos os marxistas) devem ficar para sempre. Não tenham medo de cuidar do Brasil, esse lugar lindo, lindo, ótimo país!

Morte ao marxismo, e tudo que isso gera! A saída para o progresso sempre foi, está e estará à direita!

Don Augusto Pinochet, para Vida Destra, 7 de setembro de 2019.

Últimos posts por Don Augusto Pinochet (exibir todos)

1 Comentário

Sua participação é muito importante para nós do Vida Destra. Participe, comente e interaja!