Analisando as notícias das últimas semanas, especialmente aquelas vindas do meio judiciário, fico me perguntando em que mundo essa gente vive. Que existem decisões esdrúxulas em todos os lugares – ou mesmo níveis – não resta a menor dúvida. Mas parece que a pandemia acabou colocando o desvario dessa gente em outro patamar.

Não falo apenas das decisões tomadas por prefeitos e governadores – tendo por base o fechamento do comércio e o lockdown infinito – sem pensar nas consequências; mesmo a curto prazo, como a fome e o desemprego. Ou então das escolas fechadas, prejudicando em muito a formação das crianças.

Mas o que realmente chama a atenção é o ativismo judicial vindo daquele que deveria ser o guardião da Constituição – o STF. E não só ele, como também das chamadas instâncias inferiores (como já disse em outro artigo). A impressão que se tem é que esses ditos “juízes” realmente desconhecem a realidade do brasileiro. De dentro de suas casas, com ar condicionado e geladeiras cheias – além, é claro, do salário polpudo em dia – fica muito mais fácil tomar decisões descoladas do que é palpável.

Desde a proibição da circulação de pessoas, ignorando o transporte público sempre lotado; ou até mesmo de se delimitar o que cada pessoa pode ou não consumir, tudo é feito pensando em prejudicar a vida de quem está, apenas, lutando para sobreviver. Claro que a imprensa (sempre ela!) tem uma grande parcela de culpa nisso, atuando, por vezes, como uma verdadeira GESTAPO¹, que denunciava os “insubordinados” ao estado. Ou mesmo quando faz questão de desdenhar do chamado “tratamento precoce”, que já salvou muitas vidas.

A sabotagem nesse país é muito grande – e de todos os lados. Quem mais sofre com isso são os mais vulneráveis, que são tratados como párias por aqueles que deveriam proteger, ou mesmo informar, de forma responsável, a população. Não fossem alguns brasileiros abnegados, que realmente prezam pelo presente – e pelo futuro – do Brasil, estaríamos deixados à nossa própria sorte.

A conta, pro cidadão comum, há muito chegou. Pra essa gente, porém, só importa se o delivery chega no horário. É como se vivessem em um mundo à parte, como Nárnia. Só que a realidade sempre bate à porta. Mesmo que seja a do guarda roupa.

A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente presente“. (Albert Einstein)

¹Polícia secreta oficial da Alemanha Nazista.

 

 

Lucia Maroni, para Vida Destra, 20/04/2021.                                                              Sigam-me no Twitter, vamos debater o tema! @rosadenovembroo

 

Crédito da Imagem: Luiz Augusto @LuizJacoby

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

 

As informações e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade de seu(s) respectivo(s) autor(es), e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao [email protected]
Acompanhe me
Últimos posts por Lúcia Maroni (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Antonio Santa Ritta
Luiz Antonio Santa Ritta
1 ano atrás

No imaginário art. de @rosadenovembroo em que afirma q Nárnia é logo aqui. A uma bolha de distancia, concordo plenamente que este ativismo judicial foi criado por lunáticos que não se misturam com os pobres mortais, vivem a degustar lagostas e vinhos, deixando a ralé, os restos.

FABIO PAGGIARO
1 ano atrás

Isso sim é genocídio.