Sem medo de parecer ridículo e sem qualquer compromisso de coerência com o parecer anteriormente emitido durante o governo de Dilma, em sua recente decisão sobre a escolha de reitores e vice-reitores das Universidades públicas – uma atribuição exclusiva do Presidente da República – Fachin inova ao declarar que a escolha deve recair sobre o candidato mais votado na lista tríplice. Em outras palavras: o Presidente pode escolher entre três candidatos, desde que a escolha recaia sobre o mais bem votado.

Determina a Lei que o Presidente escolha livremente a partir de três nomes de candidatos indicados por um colegiado universitário. Dessa lista, o Presidente pode escolher qualquer dos nomes sugeridos. O texto da Lei é claro nesse sentido e assim tem sido desde que o método foi adotado como padrão. O próprio Fachin já havia manifestado correto entendimento da Lei, em decisão anterior, como mencionei antes. Só que agora, sendo Bolsonaro – um conservador de direita o Presidente – ele se manifesta de forma contrária. E por quê assim age? Para mim, fica evidente que ao alterar o sentido daquilo que expressamente determina a norma, o Ministro do STF pretende transformar a escolha presidencial em mero ato administrativo de consagrar uma eleição, limitando e condicionando uma decisão que pertence ao Chefe do Poder Executivo.

Com esse parecer, Fachin não esconde o ativismo político em suas decisões. Afinal – deve pensar ele – quanto mais limitadas forem as decisões presidenciais, melhor para as esquerdas, especialmente num ambiente que se transformou num dos principais redutos do esquerdismo doutrinário: as Universidades públicas.

O parecer de Fachin é uma aberração. Ele provavelmente sabe disso, mas demonstra que pouco se importa, desde que cumpra aquilo de deve imaginar que seja seu papel, isto é, defender a permanência do aparelhamento esquerdista nas instituições. Compromisso com o texto legal e com a Constituição? Bobagem. Afinal, ele é “supremo” e, como tal deve se imaginar acima de qualquer coisa, principalmente da opinião pública, da coerência e do senso comum. O importante é que demonstre de qual lado está. Ativismo político judicial é isso aí e o resto que se dane.

Laerte A. Ferraz para Vida Destra, 12/10/2020.

Sigam-me no Twitter! @FerrazLaerte

Laerte A. Ferraz
Acompanhe me
Últimos posts por Laerte A. Ferraz (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
14 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Mauro Tagliari
Mauro Tagliari
9 meses atrás

Parabéns pelo brilhante artigo. A esquerda é assim mesmo, ela descumpre a lei na maior naturalidade, desde que seja para continuar com o seu eterno projeto de poder.

Luiz Antonio
9 meses atrás

No primoroso artigo de @FerrazLaerte s/o ativismo político de Fachin em relação à lista tríplice de Adm. de Univ.Publicas, se Bolsonaro tiver um do PT (90%), um do Psol(6%),um do PCdoB (4%) dos votos,não pode indicar o último, mesmo q a lei autorize. Ainda bem q tem o plenário do STF p/votar!

MANOEL SOARES CUTRIM FILHO
MANOEL SOARES CUTRIM FILHO
9 meses atrás

Excelente matéria!
Meus parabéns ao autor e a esse veículo de comunicação independente, que juntos com outros do gênero, vem mudando a visão jornalística do Brasil, em favor da verdade.

Sander Souza
Sander Souza
9 meses atrás

Parabéns pelo excelente artigo, Laerte!
Precisamos estar atentos a atitudes como esta!

Nunes
Admin
9 meses atrás

Excelente artigo meu amigo.

Claudio
Claudio
9 meses atrás

Será que ele era o mais vontado para o SUPREMO?….E esta nefasta manifestação?….. Eles perderam a vergonha, o SUPREMO é um poder, os componentes (11) são DEUSES!

Marineusa
Marineusa
9 meses atrás

A escolha é do presidente o STF não tem nada que se meter nesta área. Infelizmente as universidades têm se transformado em redutos de loucos!!

LUIZ
LUIZ
9 meses atrás

STF decide conforme o freguês..

121224773_1773465486153339_3789933204310766629_o.jpg