As eleições municipais brasileiras foram um puxadinho da eleição norte-americana, no que diz respeito à corrupção política, fraude eleitoral e políticos malandros.  Quanta malandragem! Aliás, Bezerra da Silva já cantava “Malandro é Malandro, e Mané é Mané”.

A dicotomia de personalidade cantada por Bezerra da Silva, que traça uma linha entre os “manés” e os “malandros”, revela um pouco da nossa cultura política. O “Mané” não é outro senão o “otário”, pois, como diz o antropólogo Roberto DaMatta na sua obra clássica, “Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro”: “O malandro para existir precisa do otário que lhe faz o contraponto, que lhe serve como escada”.

O problema é que o otário por sua vez, é aquela figura indesejável, antiquada, que acredita na lei, nas normas e se pauta por elas, por isso, para o malandro, é quase um imperativo categórico kantiano burlar o otário. Em outras palavras: é a derrocada da lei pela esperteza da malandragem.

Essa aceitação política e cultural da malandragem faz com que o candidato malandro vire esperto, e aquele que trabalha duro, paga suas contas, segue as normas e não pega os atalhos para quebrar a burocracia, vire otário. Neste sentido, o político honesto de campanha limpa, é difícil se eleger, pois como dizia Silva: “Malandro é o cara que tá com dinheiro e não se compara com um Zé Mané”.

Dinheiro é o que o malandro mais quer, e dinheiro é o que ele mais tem, principalmente do fundo eleitoral. Dinheiro seu e meu.

De fato, uma eleição em meio a uma crise financeira é tudo o que um político malandro deseja, pois, por meio dela, vem o fundão que lhe proporcionará as benesses de compras de votos, compras de notas frias na gráfica que fez seus “santinhos”, de pagar a carreata, pagar o churrasco do time de várzea e, por fim, se eleger prometendo mundos e fundos aos otários, ao som da melodia da corrupção.

Fico por aqui, rogando a Deus que nos livre dos malandros e suas malandragens, institucionalizadas ou não!!!

 

 

 

Paulo Cristiano da Silva, para Vida Destra, 18/11/2020
Vamos discutir o Tema! Sigam-me no Twitter  @pacrisoficial , no Parler @Pacris e no Conservative Core @pacris

Acompanhe me
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Lourdes Corrêa de Souza frugis
Lourdes Corrêa de Souza frugis
1 ano atrás

Ótimo resumo!Nós brasileiros otários patrocinamos tudo, não levamos nada! Os q nos representarão serão poucos e engolidos pelos malandros…

Nunes
Nunes(@nunes)
Admin
1 ano atrás

Parabéns pelo artigo!

Caravan
Caravan
1 ano atrás

Ou contestamos, ou seremos engolimos.

Luiz Antonio
Luiz Antonio(@luiz-antonio-santa-ritta)
1 ano atrás

A excelente comparação do art. de @pacrisoficial do candidato Malandro e do político honesto, q não consegue se eleger, um Zé Mané, faz me lembrar como admitir um fundo eleitoral de 2 bi com déficit de 20% do PIB. O Congresso nos faz de otário!