(…) que esta Nação, com a graça de Deus, renasça na liberdade, e que o governo do povo, pelo povo e para o povo jamais desapareça da face da Terra.

(Lincoln, Abraham. Discurso de Gettysburg, 1863)

 

A decisão do TSE de abrir inquérito contra Bolsonaro (02/08/2021), definitivamente, entregou os destinos do Brasil nas mãos das Forças Armadas.

Tentarão destituir o Presidente com base em narrativas. Tudo coordenado com as viúvas do Presidencialismo de Coalizão – congressistas, prefeitos, governadores –, todos sob o controle do STF que “assumiu o comando do Brasil”.

A CPI, TSE e STF, com apoio da imprensa, aprofundarão e se alternarão nas pressões ao Presidente, a seus colaboradores e a militares para humilhá-los e desmoralizá-los perante a população – o que já se mostrou ineficaz.

As redes sociais serão ainda mais censuradas e tirarão o Presidente delas, como fizeram com Trump. Se respaldarão nos pareceres de “agências de checagem” sobre “fake news”, como se as primeiras fossem peritos criminais e as segundas crimes capitulados no Código Penal.  Não são. Renan lançou o balão de ensaio na semana passada, mas recuou diante das críticas.

Não estão preocupados com as manifestações nas ruas, pois não acreditam que transitem do pacifismo para a violência. Confiam que não passará de barulho. Estão convictos de que suas canetas serão suficientes para neutralizar as reações e conduzir a manada.

Assim, partiram para o golpe final: promover o impeachment baseado em narrativas, não em fatos. A democracia está moribunda e não há mais tratamento institucional possível, pois o STF não aceita o presidente escolhido pelo povo e decidiu tirá-lo.

Na ânsia de destituir um presidente democraticamente eleito, passaram a acreditar nas próprias falácias e pesquisas encomendadas; a se valer de abuso desenfreado de autoridade. Assim, desconsideram, debocham e desrespeitam a Constituição e os Brasileiros.

Nesse contexto de anomia e anarquia institucional, somente resta ao povo recorrer às Forças Armadas para restaurar a ordem e o equilíbrio; para fazer valer seu voto e evitar que o Brasil seja conduzido ao mesmo destino trágico de Venezuela e Argentina.

A população não confia no Legislativo e no Judiciário, mas sim no Presidente e nos militares. As ruas demonstram isso, digam o que disserem as pesquisas e a imprensa. Se esses Poderes, como tudo indica, continuarem a buscar um impeachment, haverá conflito entre eles e o Executivo.

Em semelhante situação, as Forças Armadas teriam apenas duas opções: se colocar ao lado da Constituição e do povo em apoio ao Presidente, ou ao lado de Legislativo e Judiciário. A simples neutralidade não seria alternativa, pois favoreceria estes últimos que têm a iniciativa das ações.

Em resumo, os conflitos e ingerências entre Poderes, com protagonismo do STF, atingiram um nível em que não há mais retorno. A solução dependerá do posicionamento das Forças Armadas em relação a eles.

E nossas Forças Armadas sempre se posicionaram a favor do povo brasileiro.

 

 

Fábio Sahm Paggiaro, para Vida Destra, 04/08/2021.                                                Sigam-me no Twitter! Vamos debater o tema! @FPaggiaro

 

Receba de forma ágil todo o nosso conteúdo, através do nosso canal no Telegram!

 

As informações e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade de seu(s) respectivo(s) autor(es), e não expressam necessariamente a opinião do Vida Destra. Para entrar em contato, envie um e-mail ao contato@vidadestra.org
Fábio Sahm Paggiaro
Últimos posts por Fábio Sahm Paggiaro (exibir todos)
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Antonio
1 mês atrás

No excelente artigo de @FPAggiaro acredito piamente que quando a forças do mal tentarem tirar Bolsonaro à força da cadeira de Presidente, as FFAA estarão a postos para colocar estes pulhas no seu devido lugar.