Resignação ou resiliência?

Resignação é o obrigar-se a viver em constante flagelo mediante o sofrimento. Já a resiliência é a capacidade de erguer-se de um profundo estágio de tristeza, uma depressão ou situação de perda em qualquer das esferas humanas, quer física, mental ou emocional. Muitos têm vivido subjugados por suas perdas, ou até mesmo por seus ‘monstros emocionais’ criados e alimentados ao longo da vida ou por um determinado período de tempo. Quando nos tornamos reféns de sentimentos de profunda tristeza, deixando de lado atividades que antes eram comuns, corremos o risco…

Ler mais

Dia internacional da mulher

  Falar sobre esse dia seria clichê, se tão somente contasse o fato histórico que culminou para a existência desse dia. Poderia falar sobre as tragédias contra a mulher. Mas, a linguagem seria um tanto ácida demais e eu reviveria momentos desagradáveis. Pensei que seria fácil, mas falar sobre ser mulher é como fazer uma autobiografia ou estudar as normas sintáticas da língua portuguesa, mude uma vírgula e o sentido pode ser totalmente diferente. E já vou logo avisando àqueles que são objetivos demais…saibam que a mulher não é como…

Ler mais

Educação (parte 2) 

Caso tenha perdido :  Educação (parte 1)    Ela começou… Minha mãe sempre diz que devo estudar pra ter boa educação. Outros dizem: Que falta de educação! A escola não ensina isso pra você, não? Então pensei…Como alguém pode não ter educação se vai à escola? No começo, achava que os adultos estavam malucos, pois cada um dizia o que bem queria e depois culpava a Educação. Pra mim, Educação e tudo o que meus colegas  disseram, exceto ser uma velha de bengala..o que nao agradou Luizinho. A Educação é um…

Ler mais

Educação (Parte 1)

  As crianças entraram eufóricas na sala de aula. A algazarra e arrasta-arrasta de carteiras indicavam que alguns alunos haviam faltado e a disputa pelas carteiras maiores era quase que uma reza. A professora entrou, colocou os livros sobre a mesa e aguardou alguns instantes até que todos estivessem em seus lugares. Ela iniciou a aula com a seguinte problemática: Pessoal, vocês sabem o que é Educação? Os alunos ficaram em silêncio que logo foi rompido por alguém lá no fundo da sala, que ergueu a mão e disse: Acho…

Ler mais

Nome limpo (parte 2)

Para quem perdeu a primeira parte: Nome limpo  (Parte 1)   Dias depois, novamente, lá estava a mãe, junto ao lampião, separando as moedinhas e anotando alguma coisa num caderninho. Na manhã seguinte, vestiu-se, chamou o menino e foram à vendinha. Ela tirou um pequeno saquinho de pano de dentro do vestido e pagou o que devia no comércio. O menino observava tudo o que acontecia. O dono da mercearia disse desarrumando os cabelos do menino: “Espero que você seja tão honesto como sua mãe e seu avô. Eles pagam…

Ler mais

Nome limpo (parte 1)

  Quando criança, ele costumava ouvir seus avós e outros idosos conversando por longas horas sentados em cadeiras de balanço, rodeados de crianças que vinham das casas das ruas vizinhas. Era uma festa ouvir tantas histórias. Não havia luz, nem asfalto. Por vezes, os primos se juntavam numa caçada incansável aos vagalumes nas noites quentes de verão, ou se reuniam próximos a grandes fogueiras, com batata doce e milho assando no meio das labaredas fumegantes. Ao som de gargalhadas e o estalar da madeira queimando o pequeno garoto tentava aprender…

Ler mais

Ah…o tempo…

O mês das promessas, janeiro, chega ao fim. O que você começou e não terminou? O que ficou na vontade? Já se fez essa pergunta ou continua arranjando desculpas descabidas pra amenizar o comodismo de seu ego? Cá estou, fazendo essa reflexão. Quando eu era criança, não entendia muito bem essas justificativas: “Tempo é dinheiro”, “Você tem tempo de sobra”. “Não deu tempo”. “Um dia eu”… Sempre pensei sobre esses ditados criados para ser usados como desculpas pra fazer ou não alguma coisa. Por falar em tempo, penso no relógio…

Ler mais

Em tempos de paz, estabeleça bases – parte 2

Parte 1  :  https://vidadestra.org/em-tempos-de-paz-estabeleca-bases-parte-1/   As comadres corriam pra recolher as roupas, fechar as janelas, ralhar com os moleques que queriam brincar na chuva. Enquanto isso, os compadres escorregavam tentando recolher as galinhas para o galinheiro e as vacas para o curral, e as ferramentas da lavoura espalhadas, para o celeiro. Ele chegou e fez um estrago danado. Depois que o pior passou, uma brisa de pura calmaria pairou ali como se nada tivesse acontecido. Pareceu coisa de criança levada. A comadre lembrou-se da amiga. Chegou ao outro lado do…

Ler mais

Em tempos de paz, estabeleça bases – parte 1

  Eram comadres. Dessas que viveram há muito tempo. Faziam tudo juntas. Saíam na vendinha do seu Zé. Passavam horas falando das sinhás enquanto trabalhavam lavando as roupas do casarão na beira do rio. As histórias que contavam e as músicas de timbre agudo e estridente, ajudavam a passar os exaustivos dias ensolarados na lida. O maior orgulho das lavadeiras era deixar as roupas ensaboadas ‘quarando’ por cima das pedras e depois sair tinindo de tão alvas para serem estendidas ao sol. Uma estava sempre atenta a tudo, principalmente ao…

Ler mais